Irmã do líder supremo do Irão apoia protestos contra o regime

O líder supremo do Irão, o aiatolá Ali Khamenei, parece ter ganho uma opositora de monta: a sua própria irmã, que pediu aos guardas revolucionários que deponham as armas e parem de atacar os civis.

Badri Hosseini Khamenei, irmã do líder supremo do Irão, o aiatolá Ali Khamenei, declarou esta quarta-feira o seu apoio aos protestos antigovernamentais em andamento há cerca de dois meses – tornando-se assim uma voz de destaque ao lado dos iranianos que têm enchido as ruas para contestarem o regime.

“Acho que é apropriado declarar neste momento que me oponho às ações do meu irmão e expresso a minha solidariedade a todas as mães que lamentam os crimes da república islâmica, desde a época de Khomeini até à atual, um califado despótico de Ali Khamenei”, disse, citada pelas agências internacionais. A irmã do líder até agora incontestado do Irão escreveu uma carta que partilhada no Twitter pelo seu filho, Mahmoud Moradkhani, que mora em França, segundo adianta a agência Reuters.

Hosseini Khamenei, que mora no Irão, teria escrito que “os guardas revolucionários e mercenários deveriam depor as suas armas o mais rápido possível e juntar-se ao povo antes que seja tarde demais”.

O Irã está dominado por distúrbios desde a morte de Mahsa Amini, de 22 anos, sob custódia policial, em 16 de setembro, e enfrenta um movimento de greve geral de três dias que começou na segunda-feira. As greves têm sido uma das formas que os iranianos encontraram de protestar contra o regime, e têm sucedido com forte impacto no sector petrolífero.

Badri Hosseini Khamenei tem sido uma das vozes internamente mais críticas do Irão, tendo sempre colocado fortes dúvidas sobre a eficácia do regime dos aiatolas, e fá-lo desde que o fundador da república islâmica, Ruhollah Khomeini, desapareceu.

As guardas revolucionárias, grupo que atua diretamente sob as ordens de Khanenei, são um dos apetrechos mais usados pelo regime para manter a sua influência sobre os iranianos. O grupo é também responsável por atuações fora das fronteiras do país – pelo que é temido e perseguido por vários países.

Recomendadas

Mali. ONU lança apelo por 688 milhões de euros para ajudar 5,7 milhões de pessoas

A Organização das Nações Unidas (ONU) lançou hoje um apelo por 751 milhões de dólares (688 milhões de euros) para dar resposta às necessidades urgentes de 5,7 milhões de pessoas no Mali.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

Qatargate: Parlamento Europeu levanta imunidade dos acusados

O processo está a ser conduzido em tempo recorde, o que prova que a câmara sentiu o acontecimento como uma verdadeira catástrofe reputacional, como aliás disse a sua presidente, Roberta Metsola.
Comentários