Isabel Camarinha não exclui greve geral e é contra descida do IRC. “Seria premiar a obrigação das empresas”

Face àquilo que afirma ser à intransigência do Governo, a secretária-Geral da CGTP promete insistir no diálogo, mas vai intensificar a luta. Isabel Camarinha disse em entrevista à A1/Jornal de Negócios que o Governo não deve descer o IRC às empresas para promover o aumento dos salários.

MÁRIO CRUZ/LUSA

A secretária-Geral da CGTP promete intensificar a luta face à intransigência do Governo e não exclui a possibilidade de uma greve geral com a UGT.  “Depende do evoluir da situação e das respostas que sejam dadas”, afirma Isabel Camarinha em entrevista conjunta à A1/Jornal de Negócios. Neste momento, nada, porém, está ainda decidido.

“O Governo e esta maioria do Partido Socialista tem que ouvir os trabalhadores, tem que ver o descontentamento e a situação que está a ser vivida pela esmagadora maioria dos trabalhadores do país e a dificuldade  crescente de satisfazem as necessidades mais básicas”, justifica.

Se o Governo tem que ouvir os trabalhadores, as empresas também, acrescenta.

A CGTP considera que seria vantajoso uma redução do IVA nalguns bens essenciais. Já quanto a uma descida do IRC às empresas que promovam o aumento dos salários, Isabel Camarinha está contra. “As empresas têm a obrigação de pagar salários dignos aos seus trabalhadores, de compensar os trabalhadores pelas qualificações, competências e funções que desempenham, pela experiência adquirida”, declara. Usar  a descida do IRC como moeda de troca seria “premiar o que é a obrigação das empresas”, salienta.

Na entrevista conjunta à Antena 1 e ao Jornal de Negócios, Isabel Camarinha, adianta que a CGTP é contra as maiorias absolutas porque quem as tem, tendencialmente, não quer ouvir os trabalhadores e com este governo diz que já se sente isso.

Neste sentido, refere que a CGTP negoceia com o Governo, mas o Governo não está a cumprir o direito à negociação, porque apresenta as suas propostas e não faz cedências.

Isabel Camarinha revela já ter pedido uma reunião com o primeiro-ministro, António Costa, mas ainda não obteve resposta. Pretende nessa reunião apresentar as reivindicações da CGTP, em relação ao aumento da inflação, e que passam por um aumento desde já do salário mínimo. A proposta dos 800 euros em julho já foi colocada em cima da mesa na concertação social, mas não houve resposta do governo, salientou.

 

Recomendadas

Eficiência energética na linha da frente para reduzir dependência de Putin

Governo e empresas analisam o atual momento da eficiência energética. Defendem que chegou a altura de Portugal e a Europa acelerarem para desligar a ficha de Moscovo e do regime de Vladimir Putin. Sector energético português está comprometido com metas.

Wimbledon: João Sousa e o australiano Jordan Thompson afastados em pares

O tenista português João Sousa e o australiano Jordan Thompson foram hoje eliminados na segunda ronda de pares de Wimbledon.

Itália alerta para subida de preço da energia por fecho do Nord Stream

O ministro da Transição Ecológica italiano, Roberto Cingolani, alertou hoje que se espera um novo aumento do preço da energia em Itália depois de a Rússia anunciar o fecho do gasoduto Nord Stream para manutenção, adiantou a EFE.
Comentários