Isabel dos Santos deve mais de 500 milhões de euros à banca

O regulador bancário já terá pedido a todas as instituições uma atualização sobre os financiamentos, assim como aos auditores externos para verificarem a adequação dos níveis de imparidades, noticia o “Expresso”. “Correio da Manhã” revela que CGD e BCP concentram os valores mais elevados dos empréstimos.

DR Eneias Rodrigues/LUSA

A empresária angolana Isabel dos Santos deve 570 milhões de euros à banca portuguesa, levando o Banco de Portugal a pedir a bancos e auditores para avaliarem se todos os financiamentos estão cobertos por imparidades, noticia o jornal “Expresso”, na edição deste sábado.

Segundo o semanário, 13 instituições bancárias concederam créditos à filha do ex-presidente de Angola, mas três bancos concentram a maior parte da dívida. O regulador bancário já terá pedido a todas as instituições uma atualização sobre todos os financiamentos, assim como aos auditores externos para verificarem a adequação dos níveis de imparidades.

Também o “Correio da Manhã” revela este sábado que dos créditos concedidos a empresas de Isabel dos Santos entre 2009 e 2015, num total de 420 milhões de euros pela banca nacional para a compra de ações do BPI, da Zon e da Efacec, 306 milhões de euros já terão sido reembolsados. O matutino revela ainda que os bancos mais expostos foram o BCP, que emprestou 172 milhões de euros, e a Caixa Geral de Depósitos, que concedeu cerca de 148 milhões de euros.

Segundo o Correio da Manhã, o crédito de 160 milhões de euros concedido pelo BCP para comprar uma participação de 9,69% no BPI, já foi amortizado, mas os restantes créditos ainda estarão por amortizar.

Recomendadas

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.

PremiumBanca antevê dificuldades em identificar todos os clientes em 45 dias

Os bancos têm 45 dias para verificar se têm clientes do crédito à habitação que qualifiquem para efeitos da aplicação do diploma do Governo, mas o apuramento dos rendimentos reais é um obstáculo.
Comentários