Isabel dos Santos exonera e assume Sonangol Pesquisa & Produção

Presidente do conselho de administração da Sonangol exonerou a comissão executiva da empresa da petrolífera estatal angolana responsável pela pesquisa e produção de petróleo, passando a assumir essas funções, alegando “desvios financeiros” detetados.

Reuters

A decisão consta de um comunicado distribuído à imprensa pela administração da petrolífera, exonerando o presidente da comissão executiva da Sonangol Pesquisa & Produção, Carlos Saturnino Guerra Sousa e Oliveira e restantes elementos.

“A Sonangol P&P é a empresa do grupo Sonangol que durante a avaliação efetuada apresentou as maiores debilidades de gestão e consequentemente de desvios financeiros”, refere o comunicado.

Até aqui administradora não executiva – além de presidente do conselho de administração do grupo -, Isabel dos Santos foi “indicada” para o cargo de presidente da comissão executiva da Sonangol Pesquisa & Produção, além dos vogais Edson Santos, Sarju Raikundalia, Bernardo Domingos e Carlos Cardoso, lê-se ainda no documento.

“Esta decisão está alinhada com a postura do novo conselho de administração da petrolífera, de ser consequente com os princípios de rigor e transparência que baseiam a sua gestão”, explica a Sonangol.

Recomendadas

Continental Engineering Services quer contratar 200 pessoas e duplicar efetivos até final de 2023

A subsidiária do Grupo Continental, que fornece serviços de engenharia às indústrias, abre as suas portas na cidade Invicta ao primeiro ‘OPEN DAY’ no próximo dia 29 de setembro para um primeiro contacto com jovens candidatos.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Banca europeia vai beneficiar da receita com juros, mas esta será consumida pelo aumento das imparidades para crédito

O relatório conclui que taxas de juros crescentes trazem margem financeira para os bancos europeus, mas custos e imparidades mais altos compensarão os benefícios. Nesta amostra  de 34 maiores bancos europeus não estão incluídos bancos portugueses e há três espanhóis (Santander, BBVA e CaixaBank).
Comentários