Isabel dos Santos já entregou projeto de prospeto na CMVM

A Terra Peregrin, da empresária angolana Isabel do Santos, entregou o projeto de prospeto e de anúncio de lançamento da oferta pública de aquisição (OPA) sobre a PT SGPS, disse fonte da empresa. Os projetos “foram entregues à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários [CMVM] após o fecho do mercado”, adiantou. A 9 de novembro, […]

A Terra Peregrin, da empresária angolana Isabel do Santos, entregou o projeto de prospeto e de anúncio de lançamento da oferta pública de aquisição (OPA) sobre a PT SGPS, disse fonte da empresa.

Os projetos “foram entregues à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários [CMVM] após o fecho do mercado”, adiantou.

A 9 de novembro, a empresa anunciou a sua intenção de compra, oferecendo mais de 1,21 mil milhões de euros pela totalidade das ações da empresa portuguesa, ao preço de 1,35 euros por ação.

A PT SGPS detém 25% da Oi, enquanto a operadora brasileira controla cerca de 10% da empresa portuguesa.

Fonte oficial da CMVM confirmou à Lusa a entrega do pedido de registo da OPA e do projeto do prospeto.

Agora, a informação vai para “apreciação” do regulador.

Se a documentação estiver completa e não houver pedido de esclarecimentos, a aprovação do prospeto, o registo ou a sua recusa serão comunicados no prazo de oito dias corridos, de acordo com a lei.

OJE/Lusa

Recomendadas

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Rogério Carapuça: “Há que estar entre os primeiros, não ser o primeiro dos últimos”

O presidente da APDC considera que o desenvolvimento do sector das TIC se dá a um ritmo saudável apesar dos obstáculos concretos que ainda impedem o país de estar entre os melhores classificados. A capacitação e qualificação das pessoas e das empresas são desafios no topo da agenda, mas a simplificação é palavra de ordem para abandonar o paradigma da burocracia que assombra os serviços públicos, alerta Rogério Carapuça.