ISCAL estreita ligação com tecido empresarial

A licenciatura em Comércio e Negócios Internacionais quer introduzir nova dinâmica no capital humano a operar na área da internacionalização da economia portuguesa.

Fernando Miguel Seabra, Diretor de curso da licenciatura em Comércio e Negócios Internacionais do ISCAL – Instituto Politécnico de Lisboa, explica ao Educação Internacional que a abertura do curso ao contexto organizacional é assumida como uma prioridade.

Neste âmbito, realça, “recentemente, foram constituídos protocolos com associações empresariais e empresas visando a intensificação desta ligação crucial”. Este curso superior público, destinado a interessados em desempenhar atividade profissional em âmbito de comércio externo e investimentos internacionais, pretende contribuir para “a capacitação das organizações no âmbito da dinâmica de internacionalização da economia portuguesa, honrando o percurso histórico do ISCAL”, salienta Fernando Miguel Seabra.

A licenciatura em Comércio e Negócios Internacionais do ISCAL foi pensada para “corresponder à necessidade de recursos humanos qualificados em distintas áreas”, nomeadamente grandes empresas e PME, operadores de serviços especializados em comércio externo, serviços financeiros na área de operações com o estrangeiro, entidades da administração pública com intervenção na promoção externa da economia portuguesa e organizações da União Europeia e de outros fóruns promotores de internacionalização.

O curso está estruturado em seis semestres, tem a duração de três anos letivos, sendo composto por disciplinas de várias áreas científicas, numa ótica interdisciplinar. O plano curricular integra, entre outras, as disciplinas de Finanças, Economia, Ciências da Informação e da Comunicação, Gestão, Direito e Contabilidade.

Recomendadas

Três praias de Oeiras interditadas a banhos

As praias de Caxias, Santo Amaro de Oeiras e Paço de Arcos foram interditadas a banhos, desde sexta-feira, depois das análises à qualidade da água revelarem valores microbiológicos acima dos parâmetros de referência, revelou hoje a Autoridade Marítima Nacional.

António Almeida-Dias: “Ao contrário do ensino superior estatal, não pedimos dinheiro ao Governo”

Presidente da APESP defende que Portugal tem muito a ganhar com um ensino superior privado que usufrua da autonomia e liberdade consagradas na Constituição e que o Estado limita. O setor privado da economia já demonstrou ser o motor da inovação e do progresso, diz.

IPLeiria constrói cinco residências e renova sete num investimento de 25 milhões do PRR

Com este investimento, o Politécnico vai assegurar residências de estudantes em todas as cidades onde conta com oferta formativa, nomeadamente em Leiria, Caldas da Rainha, Peniche, Marinha Grande, Pombal e Torres Vedras.
Comentários