Isenção do desconto para a ADSE passa a ser fixada nos 635 euros

“Hoje, as pessoas que têm ADSE e que se aposentam ficam isentas quando, em função da sua aposentação e do desconto para a ADSE tenham um salário inferior ao do salário mínimo”, começou por explicar a ministra Alexandra Leitão.

Alexandra Leitão, ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública | Cristina Bernardo

A isenção da contribuição para a ADSE vai deixar de estar indexada ao valor do salário mínimo nacional, passando a ser fixada em 635 euros, anunciou esta terça-feira a ministra da Administração Pública no final do Conselho de Ministros.

A nova regra integra o diploma que alarga a ADSE aos cerca de 100 mil contratos individuais do Estado e que foi aprovado hoje em Conselho de Ministros.

“Hoje, as pessoas que têm ADSE e que se aposentam ficam isentas quando, em função da sua aposentação e do desconto para a ADSE tenham um salário inferior ao do salário mínimo”, começou por explicar a ministra.

Segundo adiantou, o diploma é agora alterado “no sentido de esse número passar a ser definido em 635 euros”.

“É algo que já tinha sido falado com o Conselho Geral de Supervisão [da ADSE] e internamente, uma vez que, sendo a ADSE um sistema inteiramente suportado pelos seus beneficiários, o aumento muito significativo de pessoas isentas revelava-se pesado em termos de sustentabilidade”, afirmou Alexandra Leitão.

“Não estamos a tirar essa isenção a ninguém, estamos é a defini-la nos 635 euros, em vez de a manter indexada à remuneração mínima mensal garantida”, defendeu a governante.

Atualmente os beneficiários da ADSE descontam 3,5% sobre o salário ou pensão, mas quando da aplicação da taxa de desconto resultar uma pensão de valor inferior ao salário mínimo nacional, que este ano é de 635 euros, o beneficiário fica isento da contribuição.

No próximo ano, o salário mínimo aumentará para 665 euros, tal como foi aprovado hoje em Conselho de Ministros, pelo que esta nova regra acaba por servir de ‘travão’ a um alargamento do número de isentos.

Relacionadas

Alargamento da ADSE a 100 mil trabalhadores pode render mais 67 milhões anuais ao subsistema de saúde

Alexandra Leitão destacou que, dos 100 mil trabalhadores que estão abrangidos, 60 mil trabalhadores são do setor da saúde: hospitais e centros de saúde do setor público-empresarial, universo ao qual se vai acrescer 60 mil beneficiários não titulares ou seja, os cônjuges e descendentes destes 100 mil trabalhadores. Caso todos os trabalhadores adiram, a ADSE vai arrecadar mais 67 milhões de euros por ano.
Recomendadas

Crise/Inflação: Casais podem receber 125 euros pelo IBAN do reembolso do IRS

O apoio de 125 euros é individual, mas os casais que entreguem o IRS em conjunto e só tenham o IBAN do reembolso deste imposto confirmado nas Finanças recebem o apoio nessa conta bancária, esclareceu hoje fonte oficial.

PremiumPartidos convergem nos apoios às famílias e crescimento económico

Os partidos com assento parlamentar começam a definir as prioridades para o próximo Orçamento do Estado. Num quadro de incerteza, continuidade e necessidade de calibrar medidas é o elemento central do PS. Oposição reclama respostas ao acelerar da inflação.

Premium“Dá-se quase uma medalha a quem consegue fugir aos impostos”, diz presidente da APIT

O presidente da APIT salienta que Portugal está a braços com a economia informal e que são precisas políticas de cidadania na área.
Comentários