ISG (re)lança mestrado em Gestão de Empresas já em setembro

Miguel Varela, presidente do ISG, diz ao JE que o mestrado em gestão de empresas é um curso fundamental na estratégia de oferta formativa da Escola de gestão. Curso decorre em horário pós-laboral.

ISG vai arrancar já em setembro com o Mestrado em Gestão de Empresas. O curso, a iniciar dia 27, decorre em horário pós-laboral, três vezes por semana e permite aos estudantes ter uma perspetiva de 360 graus da organização. Miguel Varela, Diretor do ISG e coordenador do Mestrado em Gestão de Empresas, explica ao Jorna Económico a quem se destina e o que tem de diferenciador face à concorrência.

 

A quem se dirige e o que visa o mestrado?

O ISG retoma a 26 de setembro de 2022 a oferta do mestrado em gestão de empresas, depois de mais de uma década em que formou cerca de centena e meia de mestres em gestão. O novo formato do 2º ciclo em gestão de empresas, cobre as áreas fundamentais e mais modernas da gestão e o desenho do seu plano curricular teve por base o que de mais recente se pratica internacionalmente. Além do atual contexto dos mercados, o plano curricular cobre as áreas da gestão estratégica e também operacional nas áreas funcionais principais da gestão – finanças, marketing, pessoas e produção, bem como a gestão do conhecimento, do talento e as questões éticas e de responsabilidade social. Trata-se de um mestrado desenhado para detentores de licenciaturas nas áreas das ciências económicas e empresariais, mas igualmente acessível a detentores de graus académicos em diferentes áreas do conhecimento que queiram ganhar mais valias e competências nas áreas de gestão.

 

Sendo um curso que existe com este nome em outras escolas, o que diferencia o mestrado em Gestão de Empresas do ISG dos restantes?

O curso de 2º ciclo em Gestão de Empresas fornece conhecimentos técnicos e científicos nas tradicionais e também nas mais modernas áreas da gestão. O Mestrado em Gestão de Empresas tem como principal objetivo a formação de ativos capazes de exercerem funções ao nível da gestão de empresas, designadamente ao nível estratégico e operacional, não descurando as questões tecnológicas. É objetivo fulcral, ainda, que os discentes adquiram e desenvolvam competências científicas e pensamento crítico ao nível da gestão e ciências empresariais. O Plano de Estudo foi estruturado tendo em conta uma base sólida de Gestão e Economia (onde o ISG é reconhecido, com um grau de empregabilidade de excelência) e conta com um qualificado corpo docente exclusivamente de doutorados, com sólida experiência académica, científica, mas também profissional, com estreita ligação ao mundo empresarial e que transportam as suas experiências para a sala de aula. O currículo foi desenhado de forma a criar valor, adaptando as unidades curriculares às necessidades do mercado e ao perfil do estudante, sendo possível a realização de unidades curriculares optativas, encontrando-se atualizado relativamente às mais recentes práticas da gestão empresarial e do seu contexto. Este mestrado tem como propósito o aprofundar e reciclar de conhecimentos de gestores e economistas, mas também fornecer elementos de estudo e análise para estudantes de áreas diferentes das ciências económicas e empresariais, tendo por base a prática nacional e internacional nesta área. A avaliação de conhecimentos tem por base a realização de trabalhos, case studies ou testes, consoante a natureza da unidade curricular. A diversidade de metodologias de avaliação permite desenvolver capacidades de adaptação e flexibilidade.

 

O que vem o novo curso acrescentar à estratégia do ISG?

Para o projeto educativo do ISG, focado no ensino das ciências económicas e empresariais, o mestrado em gestão de empresas é um curso fundamental da sua estratégia de oferta formativa. Os mestrandos podem optar no 2º ano do mestrado em realizar uma dissertação clássica, mais tradicional, vocacionada para a investigação, ou então pela realização de um estágio e defesa de um relatório final. Tal como em toda a oferta formativa do ISG, procuramos desenvolver as soft skills dos estudantes, tornando-os cidadãos mais criativos, comprometidos, comunicativos, conscientes e colaborativos, capazes de ser competitivos em qualquer área de mercado e em organizações de qualquer dimensão.

Recomendadas

PremiumAntigas gestoras voltam ao mercado de trabalho com a Católica-Lisbon

Programa destina-se a mulheres com background na área de gestão, finanças e economia, que estão fora há, pelo menos, dois anos. Há nova edição na forja.

PremiumParceria com Universidade Eduardo Mondlane reforça aposta da UPT na lusofonia

A cooperação entre as universidades portuguesa e moçambicana abrange as áreas da formação avançada, da mobilidade de estudantes e de ‘staff’, da formação pedagógica de docentes, bem como projetos de investigação.

Número de inscritos no ensino superior atinge máximo histórico com mais de 433 mil estudantes

“Este resultado mantém Portugal na trajetória necessária para atingir as metas de qualificação de longo prazo”, aponta o Governo.
Comentários