Isolamento em caso suspeito da variante Ómicron é de 14 dias, diz Graça Freitas (com áudio)

O período de isolamento para casos de Covid-19 suspeitos de contaminação com a variante Ómicron foi alargado para 14 dias, por ainda se desconhecer o comportamento da nova variante, disse esta quinta-feira a diretora-geral da Saúde.

Graça Freitas, diretora-geral da DGS | Tiago Petinga/Lusa

“São medidas temporárias de precaução até termos mais informação científica que nos explique melhor como é que a variante se comporta, se tem o mesmo período de incubação, se tem o mesmo período de infecciosidade”, explicou Graça Freitas.

A diretora-geral da Saúde, que falava hoje no Montijo (distrito de Setúbal) no final de uma cerimónia de apresentação de um projeto escolar para aumentar a literacia em saúde, acrescentou que esta orientação foi já emitida e determina ainda um rastreio de contactos mais alargado.

“Se houver suspeita que um surto, um caso tem alguma ligação com a hipótese da variante nova, a Ómicron, então os contactos são isolados de uma forma mais alargada e por um período maior”, disse.

A covid-19 provocou pelo menos 5.278.777 mortes em todo o mundo, entre mais de 267,22 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.610 pessoas e foram contabilizados 1.181.294 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Uma nova variante, a Ómicron, classificada como “preocupante” pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, a 24 de novembro, foram notificadas infeções em 57 países de todos os continentes, incluindo Portugal.

Recomendadas

Sysmex investe no aumento da presença no mercado português

O grupo de origem nipónico especializado em diagnósticos e serviços de hematologia, quer aproveitar a retração dos investimentos de outras empresas para cimentar a sua posição no mercado nacional.

Número de pessoas com diabetes tipo 1 pode duplicar até 2040

Perante a falta de conhecimento sobre as causas da doença, os especialistas pedem um diagnóstico atempado e um maior acesso a bombas que automatizam a administração de insulina.

“Há um défice de anestesiologistas, as necessidades são cada vez maiores”

Em entrevista, a presidente da Sociedade Portuguesa de Anestesiologia, eleita há poucos meses, alerta para o défice de especialistas no SNS, agravado pela multiplicação de áreas onde estes profissionais atuam e pela saída de anestesiologistas para o setor privado.
Comentários