ISQ em parceria com empresas francesas

Investimentos na área científica, energia elétrica e fóssil, projetos espaciais e mobilidade são áreas onde o ISQ (Instituto de Soldadura e Qualidade) cruza interesses com empresas francesas.

O ITER – f4e4 (Fusion for Energy) é o maior investimento científico da atualidade e o ISQ participa no âmbito das suas áreas de competência. Igualmente mediático é o trabalho do ISQ na Guiana Francesa – Esa onde presta serviços de “Quality control” no Centro Espacial Europeu há 15 anos. “Muitos dos engenheiros do ISQ que trabalham no Central Espacial têm também experiência noutros projetos com níveis de exigência semelhantes tais como o CERN (European Organization For Nuclear Research), o ESO (European Southern Observatory) ou o Petroleum Institute”, afirma a empresa. O ISQ continua com uma equipa permanente na base aeroespacial em Kouru e tem vindo a participar em vários projetos da Agência Espacial Europeia.

Mas na relação com empresas franceses o ISQ tem trabalhado com a Engie na Central da Tapada do Outeiro ou ainda no setor automóvel e engenharia de processos com a PSA, a Eurostyle, a Snop, a Valleo ou a MGI Coutier. A nível das energias Angola tem recebido projetos do grupo APAVE International e que tem uam parceria com o ISQ. “Na Província do Zaire, Norte de Angola, desenvolve-se o projeto Falcão com vista à criação de infraestruturas necessárias para fornecer, no curto e médio prazo, gás natural aos futuros projetos industriais a nascer no Soyo. Fruto de uma decisão estratégica do governo angolano, este projeto visa aumentar a produção de energia elétrica no país e conta com a consultoria técnica do ISQ APAVE”, refere uma nota da empresa. Adianta a mesma fonte que foi reconhecida pela Sonagás “a mais-valia da participação do ISQ APAVE no projeto “Falcão” e que está na sua capacidade e conhecimento para abarcar todas as especialidades das diversas áreas da construção desta infraestrutura, nomeadamente trabalhos de construção civil e de construção mecânica, bem como de eletricidade e instrumentação, desde a análise de materiais e equipamentos até à automação, passando pelas instalações elétricas, proteção catódica e comunicações por fibra ótica”. Ainda em Angola, o ISQ APAVE em conjunto com a APAVE International ganhou um contrato com os franceses da TOTAL E & P Angola para o fornecimento de serviços de ensaios não destrutivos. Diz uma nota que “o contrato é aplicável a todas as plataformas offshore da TOTAL E & P em Angola, tais como os FPSOs Girassol, Dalia, Pazflor, Clov, Bloco 17 e Bloco 32. Atua-se no casco do FPSO e na sua parte superior (embarcações flutuantes de petróleo), nas linhas dos umbilicais e nos “Risers” (tubos de subida) do sistema de produção submarina, nos poços e terminais, boias e descarregamento e finalmente em navio de hospedagem”. No Brasil o ISQ tem um contrato com os franceses da Vallourec, um dos maiores fabricantes de tubos destinados ao mercado de oil & gás no país.

Recomendadas

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas”, afirma CEO do Access Bank

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas participarem no que acreditamos que irá gerar um valor mais forte à medida que África vai emergindo”, explicou Herbert Wigwe, CEO da Access Holding Pics, numa entrevista exclusiva para a Forbes África Lusófona.

JCDecaux ganha um contrato de 10 anos com a ViaQuatro no Brasil

A JCDecaux ganha um contrato de 10 anos com a ViaQuatro para a exploração de espaços publicitários na linha 4 do metro de São Paulo, tornando-se no maior grupo de meios no metro do Brasil.

Timor Gap regista novas imparidades devido a investimento no consórcio do Greater Sunrise

O relatório anual da petrolífera, a que a Lusa teve acesso, regista um lucro operacional negativo de mais de 26 milhões de dólares (26,1 milhões de euros), explicando que “o aumento da perda líquida se deve principalmente às perdas por imparidade”.
Comentários