Israel exige desculpas depois de ministro russo dizer que Hitler tinha raízes judaicas

Os comentários foram proferidos por Lavrov ontem, domingo, numa entrevista ao canal italiano Rete 4. 

POOL/Reuters

Israel exigiu esta segunda-feira ao Kremlin um pedido de desculpas depois de o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, ter sugerido que Adolf Hitler tinha origens judaicas.

Segundo a “Reuters”, que cita o homólogo israelita Yair Lapid, o Embaixador russo em Tel Aviv será convocado para “uma dura conversa” sobre os comentários feitos ontem pelo chefe da diplomacia russa.

“É uma declaração imperdoável, escandalosa, um terrível erro histórico, e esperamos um pedido de desculpas”, afirmou Lapid em declarações ao site de notícias israelita “YNet”.

Os comentários foram proferidos por Lavrov ontem, domingo, numa entrevista ao canal italiano Rete 4.

“Quando dizem ‘Que tipo de nazificação é esta se somos judeus’, bem, penso que Hitler também tinha origens judaicas, pelo que não significa nada”, disse Lavrov, quando questionado sobre como poderia a Rússia dizer que precisava de “desnazificar” a Ucrânia, quando o presidente do país, Volodymyr Zelenskiy, era judeu.

Desde que as forças do Kremlin invadiram a Ucrânia, em 24 de fevereiro deste ano, Israel tem reiterado o seu apoio a Kiev, acusando a Rússia de cometer crimes de guerra no país vizinho.

Dani Dayan, presidente do memorial de Israel aos seis milhões de judeus mortos no Holocausto “Yad Vashem”, considera que as observações de Lavrov são “um insulto e um duro golpe para as vítimas do verdadeiro nazismo”, acusando-o de contribuir para a propagação de “uma teoria de conspiração antissemita, sem qualquer fundamento”.

Recomendadas

Ucrânia: Costa anuncia que Zelensky convidou Marcelo para visitar Kiev

O primeiro-ministro António Costa revelou que o chefe de Estado ucraniano, Volodymyr Zlensky, convidou o Presidente da República para realizar uma visita à Ucrânia em data ainda a acertar. Desde Timor-Leste, o Presidente apressou-se a dizer que irá.

Ucrânia: Biden aprova apoio de 40 mil milhões de dólares a Kiev

O financiamento destina-se a apoiar a Ucrânia até setembro e supera a medida de emergência anterior, que disponibilizou 13,6 mil milhões de dólares (12,9 mil milhões de euros).

Portugal enviou um milhão de euros em medicamentos à Ucrânia

Os medicamentos enviados foram doados por empresas do sector farmacêutico e também pelo ministério da Saúde. A carga inclui medicamentos oncológicos, antibióticos e preparações para injetáveis, entre outros produtos. 
Comentários