Israel lança ataques na Faixa de Gaza contra alvos do Hamas

Aviões israelitas efetuaram hoje ataques na Faixa de Gaza, horas após o lançamento de três disparos de granadas de morteiro do enclave palestiniano controlado pelo movimento islâmico Hamas.

REUTERS/Dan Balilty

Os bombardeios israelitas atingiram dois locais pertencentes às brigadas Ezzedine al-Qassam, a ala militar do Hamas no norte de Gaza, com outra ronda de ataques num outro local de al-Qassam, no oeste de Gaza, indicaram as autoridades do Hamas.

Já o exército israelita avançou que aviões e helicópteros atingiram “vários alvos terroristas do Hamas em Gaza”, bem como um “posto militar da força naval do Hamas no norte da Faixa de Gaza”.

“As Forças de Defesa de Israel responsabilizam a organização terrorista do Hamas pelos eventos que estão a ocorrer na Faixa de Gaza, e o Hamas suportará as consequências dos ataques a civis israelitas”, acrescentou, em comunicado.

No final da noite de sábado, militantes palestinianos na Faixa de Gaza dispararam três granadas de morteiro contra o sul de Israel. Os três foram intercetados pelo sistema de defesa de mísseis “Iron Dome” de Israel, disse o exército israelita.

O último disparo efetuado a partir do enclave palestiniano controlado pelo movimento islâmico do Hamas remonta a 29 de novembro.

Em 12 de novembro, o exército israelita matou um comandante sénior da Jihad Islâmica, outro movimento armado palestiniano no enclave que está sob bloqueio israelita.

Em retaliação, a Jihad Islâmica disparou cerca de 450 granadas de morteiro em dois dias contra Israel.

Trinta e seis palestinianos morreram em resultado de ataques de Israel.

Um cessar-fogo precário entrou em vigor em 14 de novembro.

Desde 2008, Israel travou três guerras contra o Hamas e grupos armados aliados desta organização em Gaza.

Recomendadas

Josep Borrell pressiona Israel sobre os palestinianos

O primeiro-ministro israelita Yair Lapid e o chefe de política externa da União desentenderam da reunião do Conselho da União Europeia-Israel, em Bruxelas. Pontos de vista diferentes sobre a Palestina e sobre o Irão ficaram bem evidentes.

Bulgária: eleições longe de resolverem crise política

Acusado de corrupção, o GERB voltou a ganhar as eleições e arrisca manter o país ingovernável. A única forma de ultrapassar o impasse seria um governo de coligação entre os dois maiores partidos, mas isso não parece estar no horizonte.

Indonésia. Polícia sob pressão pelo uso indiscriminado de gás lacrimogéneo

Os desacatos num estádio de futebol resultaram em 125 mortos, 17 dos quais crianças, de acordo com as autoridades. A atuação da polícia gerou o caos e vai contra as indicações da FIFA.
Comentários