Israel prepara-se para administrar quarta dose da vacina a maiores de 60 anos

Segundo o primeiro-ministro Israelense a quarta dose da vacina contra a Covid-19 vai ajudar a ultrapassar a onda de casos associados à Ómicron.

Um painel de especialistas do governo em Israel recomendou uma quarta dose da vacina contra a Covid-19 para todas as pessoas com mais de 60 anos e profissionais de saúde. A medida foi aplaudida pelo primeiro-ministro Naftali Bennett, que disse o reforço ajudaria o país a superar uma onda de casos associados à variante Ómicron .

“Esta é uma notícia maravilhosa que nos ajudará a superar a onda Ómicron que envolve todo o mundo”, cita a “BBC”, esta quarta-feira, as declarações de Bennett. Até agora, o Ministério da Saúde israelita confirmou 341 casos da Ómicron . A recomendação surge três meses depois de Israel ter iniciado a administração da terceira dose, onde também foi pioneiro graças à sua proximidade com a Pfizer.

“Os cidadãos de Israel foram os primeiros no mundo a receber a terceira dose da vacina Covid-19 e continuamos a ser pioneiros com a quarta dose também”, sublinhou o primeiro-ministro.

Em dezembro de 2020, quando a União Europeia se preparava para aprovar a primeira vacina contra a Covid-19, o primeiro-ministro Netanyahu e o ministro da Saúde Yuli Edelstein tiveram cerca 17 conversas com o CEO da Pfizer Albert Bourla para formalizar as primeiras encomendas de forma a avançar com o processo de vacinação o mais rápido possível. E conseguiram, sendo que a 27 de janeiro já contavam com 30% da população inoculada.

Agora, decidem avançar com a quarta dose tendo em contra a prevalência da Ómicron. “Temos agora taxas de multiplicação de dois dias, semelhantes ao que está a acontecer no Reino Unido e na África do Sul. E depois disso, decidimos que seria prudente sugerir às pessoas que receberam uma terceira dose há quatro meses que agora possam tomar a quarta dose”.

Embora em Portugal ainda se estejam a administrar terceiras doses da vacina contra a Covid-19 o primeiro-ministro já falou sobre a possibilidade de se avançar com a quarta dose.

“Neste momento a decorrer uma nova compra, um processo de compra de uma vacina adaptada já à Ómicron, que só estará disponível depois da primavera e nós já apresentamos o nosso pedido de aquisição dessas vacinas”, admitia António Costa a partir de Bruxelas a 16 de dezembro.

O governante acrescentou ainda que a compra iria assegurar que o país teria “todas as condições para poder adotar uma quarta vacina de reforço se ela vier a ser necessária como é de prever que virá a acontecer” — algo sustentado também por especialistas. Ao JE, o vice-presidente da Associação de Médicos de Saúde Pública (AMSP), Gustavo Tato Borges considerou que seria “inevitável” a administração de uma quarta dose. 

Segundo o médico de saúde pública “em 2022 teremos novas versões das vacinas adaptadas à Ómicron que terão mais eficácia ao nível naquilo que é a mortalidade e doença grave para esta variante e isso será uma vantagem para vacinar os mais vulneráveis”

Relacionadas

Israel inclui EUA e Canadá na “lista vermelha” que restringe viagens

O Governo de Israel incluiu hoje os Estados Unidos e o Canadá na “lista vermelha de viagens” como medida contra a propagação da variante Ómicron do SARS-CoV-2, da qual já constava Portugal.

Israel proíbe cidadãos de viajar para Portugal

O governo israelita proibiu este domingo os seus cidadãos de viajar para vários países europeus na lista vermelha, incluindo Portugal, e admitiu que os Estados Unidos possam ser incluídos, para evitar a propagação da variante Ómicron da covid-19.
Recomendadas

Inflação pode retirar competitividade às empresas portuguesas

Responsável da Fundação AIP considera que os custos nos transportes, aliados ao atual quadro político poderá levar a que esta não seja a melhor altura para o sector empresarial se expandir para os mercados mais longínquos. Investir na vertente digital é outro dos desafios.

PRR, mesmo sem inflação, sofreria dos mesmos problemas

Execução da bazuca enfrentaria dificuldades com burocracia e mudanças na economia global, reforçando papel dos contabilistas.

Tecnologia torna “obsoletos” problemas dos contabilistas

No último ano, as empresas tecnológicas têm investido em soluções mais inovadoras para os gabinetes de contabilidade. A PHC Software e a Sage são exemplos, com novos ‘add-ons’ ou arquivos digitais.
Comentários