Israel proíbe cidadãos de viajar para Portugal

O governo israelita proibiu este domingo os seus cidadãos de viajar para vários países europeus na lista vermelha, incluindo Portugal, e admitiu que os Estados Unidos possam ser incluídos, para evitar a propagação da variante Ómicron da covid-19.

As restrições de viagens, que já afetavam a maioria dos países africanos, mas também Grã-Bretanha e Dinamarca, alargam-se agora a Espanha, Portugal, Finlândia, França, Irlanda, Noruega, Suécia e Emirados Árabes Unidos, segundo avança a agência de notícias France Press.

O Ministério da Saúde de Israel também recomendou adicionar à lista vermelha a Alemanha, Bélgica, Hungria, Itália, Marrocos, Suíça e Turquia, bem como os Estados Unidos da América, apesar das centenas de milhares de dupla nacionalidade.

Esta nova proposta ainda não foi validada pelo governo. O primeiro-ministro Naftali Bennett defendeu essas restrições a viagens para evitar o recurso a novos bloqueios.

“O tempo está a esgotar-se. Os países europeus instituíram bloqueios ou estão a preparar-se para o fazer”, declarou este domingo, antes duma reunião de gabinete. Viajantes de países colocados na lista vermelha são proibidos de entrar em Israel, com algumas exceções.

Cidadãos israelitas e residentes num país incluído na lista vermelha serão obrigados a fazer uma quarentena de uma semana após seu regresso. Mais de 440 casos da variante Ómicron foram detetados em Israel, um mês após a sua identificação na África do Sul.

A covid-19 provocou mais de 5,33 milhões de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.778 pessoas e foram contabilizados 1.225.102 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Uma nova variante, a Ómicron, classificada como preocupante pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, a 24 de novembro, foram notificadas infeções em pelo menos 89 países de todos os continentes, incluindo Portugal.

Recomendadas

Covid-19: Human Rights Watch pede respeito pelos direitos de manifestantes na China

A Human Rights Watch defendeu hoje que o Governo chinês deve respeitar os direitos de todos aqueles que protestam pacificamente contra as restrições no combate à pandemia de covid-19.

Covid-19: Testes deixam de ser recomendados a pessoas sem sintomas e internados com visitas

Os testes à infeção com o coronavírus SARS-CoV-2 deixaram de ser recomendados a pessoas sem sintomas de infeção e doentes internados com covid-19 passam a poder receber visitas, avançou hoje a Direção-Geral da Saúde (DGS).

Plataforma da A23 e A25 indignada com ausência da abolição de portagens no OE2023

Em comunicado, a plataforma salientou que “foi sem surpresa, mas com indignação”, que confirmou que “o Governo e o partido (PS) que o suporta na Assembleia da República aprovaram o Orçamento do Estado para 2023, sem nele incluírem a suspensão ou abolição das portagens nas Scut da Beira Interior (A23, A24 e A25)”.
Comentários