Itália: algumas cidades importantes com eleições este domingo

Eleições municipais decorrem em diversas cidades. As mais importantes são as de Palermo, Génova, Parma e Verona. As mais diversas coligações, principalmente à direita, estão a servir para testar entendimentos a nível nacional.

Quase nove milhões de italianos serão chamados este domingo, 12 de junho, para a primeira volta das eleições municipais em cerca de 970 das 7.900 cidades do país. A lista de municípios que vão às urnas inclui 142 com mais de 15 mil habitantes. A segunda volta – para os municípios onde nenhuma candidato tiver mais de 50% dos votos, será a 26 de junho.

Entre os municípios estão 26 capitais de província, das quais quatro – Catanzaro (Calábria), Gênova (Ligúria), L’Aquila (Abruzzo) e Palermo (Sicília) também são capitais regionais, o que as coloca no topo da agenda política italiana. Governada pelo centro-esquerda, Palermo, com quase 660 mil habitantes e cerca de 552 mil eleitores, é a cidade mais populosa entre as que terão eleições este domingo.

A capital siciliana escolherá o sucessor de Leoluca Orlando, autarca pró-imigrantes numa região que é uma das portas de entrada dos refugiados que tentam atravessar o Mediterrâneo para entrar em Itália.

Segundo a imprensa italiana, as forças nacionais estão a usar Palermo como uma espécie de teste de âmbito nacional: o Partido Democrático (PD), de centro-esquerda, e o antissistema Movimento 5 Estrelas (M5S) apoiam o mesmo candidato – Franco Miceli, na tentativa de perceberem até que pontos os dois partidos estão alinhados ou, ao contrário, incapazes de manterem coligações. Miceli tem como principal adversário Roberto Lagalla, que encabeça uma colição de vários partidos da direita.

Já em Génova, uma das mais importantes cidades portuárias do país, o autarca Marco Bucci é favorito à reeleição, com apoio da coaligação de direita e do partido de centro Itália Viva, do ex-primeiro-ministro Matteo Renzi. Por sua vez, PD e M5S candidatam Ariel Dello Strologo.

Em Parma, uma das principais cidades das que vão a eleições este domingo, o centro-esquerda está unido em torno de Michele Guerra, enquanto a coligação de direita se dividiu entre dois candidatos: Pietro Vignali, apoiado por Silvio Berlusconi e Matteo Salvini, e Priamo Bocchi, secundado por Giorgia Meloni (líder dos Irmão de Itália).

O mesmo cenário repete-se em Verona, principal bastião da extrema-direita italiana e onde o autarca Federico Sboarina, apoiado por Salvini e Meloni, defronta o seu antecessor, Flavio Tosi, ex-membro da Liga (de Salvini) e agora aliado de Berlusconi, e o candidato de centro-esquerda Damiano Tommasi, ex-jogador da equipa do Roma.

Recomendadas

Conselho da UE anuncia apoio de 40 milhões de euros para o exército da Moldávia

Este apoio complementa a contribuição europeia de sete milhões de euros, feita em dezembro de 2021, destinada na altura a capacitar o Serviço Médico Militar do Batalhão de Engenharia das Forças Armadas moldavas. 

Ucrânia: Diplomacia russa protesta contra afirmações ‘grosseiras’ de Johnson

Em comunicado, o Ministério adiantou que Deborah Bronnert recebeu um protesto “firme” contra “as afirmações abertamente grosseiras a respeito da Federação Russa, do seu dirigente, dos seus responsáveis, bem como do povo russo”.

ONU classifica de “revés” decisão judicial que limita regulação ambiental nos EUA

A ONU considerou que retrocessos em países que produzem grandes quantidades de emissões prejudiciais ao ambiente, como os Estados Unidos, tornam “mais difícil alcançar os objetivos estabelecidos no Acordo de Paris para um planeta mais saudável e em que se possa viver”.
Comentários