PremiumItália deve confirmar tendência sueca nas eleições gerais de domingo

A extrema-direita e a direita conservadora, se conseguirem entender-se, têm assegurada a formação do próximo governo. A provável primeira-ministra tem, para alguns descanso da Comissão Europeia, moderado o seu discurso.

10 – Itália

Apesar de serem apenas sondagens, a perceção é definitiva: o próximo governo de Itália – que resultará das eleições do próximo domingo – vai resultar de uma coligação de partidos da extrema-direita com a direita conservadora. É a confirmação da ‘tendência’ que se manifestou há menos de 15 dias nas eleições na Suécia, onde a extrema-direita assumiu um papel determinante na formação do próximo executivo do país escandinavo. Mas desta vez é a terceira maior economia da União Europeia, e todos os analistas convergem para a evidência de que a Comissão Europeia começa a ficar preocupada com o que se passa nos 27. É que, para além da Suécia e da Itália, pelo menos Portugal, Espanha, França, Holanda, Hungria, e Polónia têm mostrado que seguem o mesmo registo.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumPutin une extremos na oposição ao Ocidente

As franjas mais extremas europeias convergem no apoio a Putin, unidas por um antiamericanismo reforçado, à esquerda, por uma orfandade do comunismo soviético e, à direita, pela admiração por um regime iliberal e autocrático.

PremiumPara saudar o regresso de um majestoso Jaen

Serve este texto para saudar a aposta de um produtor do Dão, a Caminhos Cruzados, integrada há cerca de dois anos no grupo da Quinta da Pacheca (no Douro), na comercialização de um monovarietal de uma das castas mais singulares que se produzem em Portugal: a Jaen (Mencia, em Espanha). Há quem diga que em relação à Jaen, ou se ama ou se detesta.

PremiumFada ou bruxa? Uma duquesa que incomoda muita gente

Sociopata narcisista”. Uma classificação nada abonatória, mas é assim que é descrita Meghan Markle por ex-funcionários do Palácio de Buckingham que trabalharam para os duques de Sussex, segundo o que é revelado no novo livro de Valentine Low, que escreve sobre assuntos reais para o “The Times”.
Comentários