Itália/Eleições: Votação para as legislativas arranca hoje

Antes mesmo da abertura das assembleias de voto, às 07h00 (06h00 em Lisboa), eleitores faziam já fila, de acordo com a agência de notícias France-Presse.

10 – Itália

Mais de 46 milhões de italianos começaram hoje a votar para eleger um novo parlamento, num escrutínio em que a extrema-direita é a favorita.

Antes mesmo da abertura das assembleias de voto, às 07h00 (06h00 em Lisboa), eleitores faziam já fila, de acordo com a agência de notícias France-Presse.

A votação termina às 23h00 (22h00 em Lisboa).

De acordo com o resultado das últimas sondagens publicadas, o partido de extrema-direita ‘Fratelli d’Italia’, ou Irmãos de Itália, soma 24% a 25% das intenções de voto, à frente do Partido Democrático, de centro esquerda, que deverá conquistar entre 21% e 22% dos votos.

O novo Governo, que irá substituir a coligação liderada pelo primeiro-ministro cessante Mário Draghi, deverá ser constituído por uma coligação de direita e extrema-direita, com 45% a 55% dos assentos parlamentares.

Caso o cenário se confirme, o cargo de primeira-ministra será ocupado por Giorgia Meloni, uma admiradora confessa de Benito Mussolini, que deverá assumir a liderança do Governo exatamente 100 anos depois da chamada marcha sobre Roma, uma grande manifestação fascista que aconteceu em 28 de outubro de 1922, na capital italiana, e que representou a ascensão ao poder do Partido Nacional Fascista pela nomeação de Mussolini como chefe de Governo.

Recomendadas

Governo italiano aprova envio de armas à Ucrânia para todo o ano de 2023

O Governo italiano aprovou um decreto prolongando o fornecimento de ajuda, incluindo armamento, à Ucrânia para todo o ano de 2023.

PremiumUcrânia à espera do inverno e dos mísseis norte-americanos Patriot

A NATO não parece disposta a enviar os mísseis para a Ucrânia, e a Rússia já avisou que, se isso acontecer, tirará as devidas ilações.

PremiumProtestos na China “não têm dimensão de revolta política”

Os protestos face à política Covid zero na China chegaram a assumir alguma violência, mas os analistas não conseguem descobrir em Guangzhou qualquer sintoma da morte iminente do regime de Xi Jinping. ANATO manteve um olhar atento ao país asiático.
Comentários