Itália inaugura primeira estação de ski livre de plástico na Europa

O resort, que tem 20 quilómetros de pistas e sete teleféricos, também planeia melhorar a recolha de lixo, a reciclagem e o uso de energia.

DR Val di Sole

Em Itália existe um resort de ski que pretende tornar-se no primeiro ringue 100% livre de plásticos na Europa, depois de ter sido descoberto um glaciar ali perto que continha uma quantidade significativa de microplásticos.

A utilização de garrafas de plásticos, sacos, talheres, pratos e copos desta matéria-prima está proibida desde que as pistas abriram no Pejo 3000, um pequeno resort em Val di Sole, Trentino, no início de dezembro.

A instalação, que atraiu 137 mil esquiadores no inverno passado, possui três cabanas nas montanhas que já não vão armazenar mais plástico. De acordo com o jornal “The Guardian”, esta é apenas uma das medidas ecológicas que serão implementadas em 2020.

A iniciativa foi motivada por um estudo realizado por cientistas da Universidade de Milão e da Universidade de Milão-Bicocca, em abril, que revelou que a superfície do Glaciar do Forno, um dos maiores nos Alpes italianos, continha entre 131 a 162 metros de partículas plásticas, incluindo fibras e polietileno. Os cientistas acreditam que estas partículas na Glaciar do Forno são originarias das roupas e equipamentos dos visitantes e poderão ter sido transportadas através das correntes de vento.

Christian Casarotto, glaciologista do Museu Nacional de História Natural e da Ciência, em Trento, explicou: “Se os produtos plásticos chegarem às montanhas, ficarão lá por um longo período de tempo, durante décadas, e depois se transformarão em danos ambientais e à saúde, e entrar na cadeia alimentar”.

Recomendadas

Associação Zero: Legislação de proteção dos solos está “na gaveta” há sete anos

De acordo com a nota de imprensa, um estudo da Agência Portuguesa do Ambiente, de 2017, concluiu que o país “ganharia cerca de 25 milhões de euros em seis anos, em resultado da publicação do ProSolos, aos quais se acrescentariam ganhos ambientais e na saúde pública”.

Guia para gestão de Áreas Marinhas Protegidas quer ser “ferramenta útil”, afirma investigador

O “Guia de Boas Práticas para a Gestão e Monitorização de Áreas Marinhas Protegidas”, apresentado hoje, pretende ser “uma ferramenta útil” e simples para as pessoas que trabalham na área, disse um dos autores do documento à agência Lusa.

PremiumCOP27: economia fica sempre à frente dos interesses do planeta

A guerra, a inflação, os preços das energias tornaram a opção pela produção sustentável um luxo a que as economias não se podem dar. A guerra das Nações Unidas terá de ficar para mais tarde.
Comentários