Itália. Líder da extrema-direira quer fim de limites ao discurso na Internet

A líder do partido de extrema-direita Irmãos da Itália (FdI), Giorgia Meloni, defendeu hoje que deve ser retirada a capacidade de os ‘gigantes’ da Internet limitarem, através dos termos de utilização, o que as pessoas dizem nas redes sociais.

“Acho que, numa época em que as opiniões são divulgadas predominantemente através desses canais [redes sociais] é absurdo que seja preciso obedecer às exigências dos proprietários das plataformas”, disse Meloni numa mensagem publicada na rede Facebook.

Os donos das plataformas “acham que têm o direito de dizer o que é certo e o que não é, o que se pode dizer e o que não se pode”, mas para o partido, “a liberdade de expressão é um princípio fundamental e não pode ser uma concessão dos gigantes da Internet”, considerou a líder do FdI.

“Têm de ser aplicadas às redes sociais as mesmas regras que regulam outros meios de comunicação”, acrescentou.

Segundo Girgia Meloni, o partido propôs, “enquanto oposição, que seja adotada igualdade de regras e fará o mesmo enquanto Governo”.

As últimas sondagens indicam que Giorgia Meloni, em coligação com a Liga, de Matteo Salvini, pode conseguir uma vitória sem precedentes para a direita nas legislativas do próximo dia 25 de setembro.

Recomendadas

Irão: Guarda Revolucionária ataca grupos curdos no Iraque

A poderosa Guarda Revolucionária do Irão desencadeou hoje uma onda de ataques com ‘drones’ e artilharia no norte do Iraque, visando o que Teerão diz serem bases de separatistas curdos iranianos, indicou agência noticiosa semioficial Tasnim.

António Guterres pede fim da “era da chantagem nuclear” e apela a “recuo”

O secretário-geral da ONU, António Guterres, apelou hoje ao fim da “era da chantagem nuclear”, afirmando que o uso de armas nucleares levaria a um “armageddon humanitário”, tornando necessário um “recuo” face às atuais tensões.

Ucrânia. Reino Unido sanciona organizadores de “referendos fraudulentos”

O Reino Unido anunciou hoje sanções contra 33 indivíduos ligados a “referendos fraudulentos” sobre a integração na Rússia de regiões da Ucrânia sob ocupação russa.
Comentários