“Já em abril”. ANA pronta para avançar com obras do novo aeroporto no Montijo

“Estamos preparados para pôr as caterpillars a trabalhar já no mês de abril”, afirmou o chairman da ANA, José Luís Arnaut, durante o webinar ‘Haverá retoma sem transporte aéreo?’, organizado e promovido pelo Jornal Económico em parceria com a agência BDC.

O presidente do conselho de administração da ANA – Aeroportos de Portugal, José Luís Arnaut, afirmou esta quinta-feira a disponibilidade da empresa gestora aeroportuária para avançar com as obras do novo aeroporto do Montijo, já em abril de 2021.

“O Montijo está iminente”, sendo um fator “de relançamento económico”, explicou o gestor no webinar ‘Haverá retoma sem transporte aéreo?’, organizado e promovido pelo Jornal Económico em parceria com a agência BDC.

A situação que o Aeroporto da Portela atravessa “está longe de estar estabilizada” e, segundo José Luís Arnaut, aquela infraestrutura vivia, em 2019 uma situações “altamente constrangedoras”. Por isso, vê no Montijo uma oportunidade para robustecer a aviação comercial portuguesa.

“Estamos inteiramente disponíveis para começar a obra no Montijo […]. Tivemos o cuidado de fazer um early contract com uma empresa de construção portuguesa para relançar a economia e estamos preparados para pôr as caterpillars a trabalhar já no mês de abril”, afirmou o chairman da ANA.

A ANA vê no Montijo uma solução, por entender ser necessária, em 2025 ou 2026, uma “nova infraestrutura aeroportuária para evitar os constrangimentos que vivemos em 2019”.  “[Nesse ano], atingimos picos de 59 milhões de passageiros […]. Por isso perspetivamos desenvolver o aeroporto do Montijo”, sublinhou José Luís Arnaut, indicando que não compreende como é que a discussão sobre uma nova infraestrutura que sirva a capital do país ainda não está fechada.

Nesse sentido, o presidente da ANA apelou à Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC), ao Governo e “a todos os que têm responsabilidades no futuro do país” para que nos próximos cinco, seis anos, o Montijo seja uma realidade, como alavanca do “crescimento da economia e do turismo”.

“Estamos aqui para investir, apesar das adversidade […]. Estamos inteiramente disponíveis para começar a obra no Montijo. Sabemos que há obstáculos de algumas câmaras municipais por razões de ordem política. Mas nós estamos disponíveis e  vamos apresentar, oportunamente, o dossiê na ANAC”, revelou.

José Luís Arnaut garantiu, ainda, que a ANA tem pareceres que indicam que as autarquias não podem “obstruir um projeto nacional” por razões que não sejam do interesse público. O antigo governante dos governos de Durão Barroso e de Santana Lopes criticou os “calculismos”, os “medos” e “receios políticos” relativamente ao Montijo.

Relacionadas

Governo garante que TAP não vai perder ‘slots’ e justifica nova taxa de dois euros com ajudas fiscais nos combustíveis

A garantia surgiu em resposta ao presidente executivo da irlandesa Ryanair, Michael O’Leary, que deu a entender que a companhia que dirige poderia ficar com os slots da TAP. Os empresários do sector no webinar ‘Haverá retoma sem transporte aéreo?’, do JE em parceria com a BDC, também criticaram a criação da nova taxa do carbono.

Ryanair: “Há cinco anos que aguardamos novidades sobre o Montijo e não vemos o dia em que o novo aeroporto possa abrir”

“Abram lá esse aeroporto, porque isso é uma questão mesmo urgente, e nós, na Ryanair voaremos para lá”, garantiu o CEO da Ryanair, Michael O’Leary, durante o Webinar “Haverá retoma sem transporte aéreo?”, promovido pelo JE e pela consultora BDC, explicando que “estamos à espera de receber uma encomenda de 120 novos aviões, para começarem a voar nos verões de 2021 e 2022 e por isso queremos colocar uns 20 ou 30 aviões desses a voar para Portugal”

“Vão estoirar 3 mil milhões na TAP, que será dinheiro perdido”, diz CEO da Ryanair

O CEO da Ryanair, Michael O’Leary durante o Webinar “Haverá retoma sem transporte aéreo?”, promovido pelo JE e pela consultora BDC, disse que “gostaria que a TAP não continuasse sentada em cima dos slots que controla no aeroporto de Lisboa. Pelos meus cálculos, a TAP reduziu a sua operação em cerca de 20%, o que significa que no próximo verão haverá slots disponíveis para um aumento de atividade por parte de outras companhias”.

Haverá retoma sem transporte aéreo? Assista à conferência JE/BDC com Miguel Frasquilho, José Luís Arnaut e Michael O’Leary

O Jornal Económico (JE) e a consultora BDC promovem uma conferência online sobre o futuro do setor da aviação e o seu papel na recuperação da economia após a pandemia de Covid-19. Em análise estarão ainda temas como o papel das políticas públicas no setor da aviação.
Recomendadas

Governo enaltece sucesso de empresas portuguesas de construção no mercado dos EUA

Em declarações à Lusa no Seminário Anual da Rede de Empreendedores da Construção (CENSE, na sigla em inglês), na cidade norte-americana de Newark, o secretário de Estado da Internacionalização saudou a presença de dezenas de empresas luso-americanas no evento, realçando que muitas viajaram de propósito de Portugal para ali explorarem oportunidades de negócio.

Alemanha reitera apoio a gasoduto nos Pirinéus e diz que França não excluiu projeto (com áudio)

O chanceler alemão destacou que este projeto tem uma perspetiva de longo prazo e que, para além do transporte de gás no imediato, servirá para fornecer outras energias, como hidrogénio, no futuro.

“Nova atitude da TAP perante os gastos terá de abranger também os pilotos”, desafia SPAC

Sindicato dos Pilotos diz que “enquanto uns têm cortes brutais no seus vencimentos” e ainda há “processos de despedimento em curso”, renova-se o parque automóvel dos cargos de direção “com 79 viaturas”.
Comentários