Já foi lançado o telescópio espacial James Webb da NASA

Este observatório espacial, avaliado em cerca de 10.000 milhões de dólares (cerca de 8.800 milhões de euros) irá demorar cerca de 30 dias até chegar ao destino, que fica a 1,5 milhões de quilómetros do planeta Terra.

O telescópio espacial James Webb da NASA foi lançado este sábado, com sucesso, da base europeia de Kourou, na Guiana Francesa, numa missão de alto risco, que pretende obter mais dados sobre as primeiras galáxias e estrelas.

Este observatório espacial, avaliado em cerca de 10.000 milhões de dólares (cerca de 8.800 milhões de euros) irá demorar cerca de 30 dias até chegar ao destino, que fica a 1,5 milhões de quilómetros do planeta Terra.

O novo telescópio, que começou a ser desenvolvido há mais de 30 anos, resulta de uma parceria entre a ESA e as congéneres norte-americana (NASA), líder do projeto, e canadiana (CSA).

O envio do James Webb para o espaço foi sucessivamente adiado, ano após ano.

Engenheiros do ISQ – Instituto de Soldadura e Qualidade estão envolvidos na segurança das operações de lançamento e a astrónoma portuguesa Catarina Alves de Oliveira, que trabalha no Centro de Operações Científicas da Agência Espacial Europeia (ESA), em Espanha, é responsável pela calibração de um dos instrumentos do Webb.

Os astrónomos esperam com o telescópio, que deve o seu nome a um antigo dirigente da NASA, obter mais dados sobre os primórdios do Universo, incluindo o nascimento das primeiras galáxias e estrelas.

O James Webb permitirá captar a luz ténue de corpos celestes ainda mais distantes, de há 13,5 mil milhões de anos, quando o Universo era bastante jovem (a idade estimada do Universo pela teoria do Big Bang é 13,8 mil milhões de anos).

O novo telescópio é apontado como o sucessor do Hubble, em órbita há 31 anos, a 570 quilómetros da Terra.

O espelho principal do Webb, de 6,5 metros de diâmetro, tem uma sensibilidade 100 vezes superior ao do Hubble (que tem 2,4 metros).

O telescópio está equipado com um escudo solar desdobrável do tamanho de um campo de ténis que o manterá frio para poder operar. Espera-se o início das observações científicas seis meses após o lançamento e os primeiros dados ainda em meados de 2022.

Dada a distância a que estará da Terra, o Webb não poderá ser reparado em órbita, ao contrário do Hubble, pelo que a sua “esperança de vida” é curta, de cinco a dez anos.

Recomendadas

Estados Unidos: decisão final sobre o Senado está para breve

Democratas e republicanos tentam a todo o transe vencer as eleições na Geórgia. Se os democratas vencerem, como referem as sondagens, Biden pode contar com o Senado para combater a perda da Câmara dos Representantes.

Migrações. UE insta Bulgária a investigar morte de refugiado na fronteira com Turquia

A Comissão Europeia instou hoje a Bulgária a investigar minuciosamente um alegado disparo por guardas búlgaros contra um refugiado sírio na fronteira do país com a Turquia, incidente que Sófia nega ter acontecido.

Cimeira UE-Balcãs Ocidentais: Declaração de Tirana não esconde grandes dificuldades

A abertura da União Europeia aos países dos Balcãs Ocidentais é controversa e cheia de problemas potencialmente inultrapassáveis. A cimeira de Tirana, Albânia, e o documento daí resultante, pode fazer crer o contrário.
Comentários