Já ouviu falar em spread? Saiba qual a sua importância no crédito à habitação

O spread é definido pelo banco de acordo com o risco do contrato e do cliente. Ao emprestar dinheiro, o banco corre riscos. Assim, quanto maior for o risco, maior será a taxa de spread que a entidade irá propor ao cliente.

O mercado imobiliário está em constante evolução e cada vez mais são os consumidores que, ao contraírem crédito à habitação, se deparam com terminologias bancárias de difícil compreensão e acessibilidade.

Já ouviu falar em spread?

O spread corresponde a uma parcela da taxa de juro, definida pelo banco quando concede ao cliente um crédito. Numa definição simples, o spread não é mais do que o lucro do banco quando ‘empresta dinheiro’.

Mas como se calcula o spread?

Em que condições é aplicado aos contratos hipotecários?

O spread é definido pelo banco de acordo com o risco do contrato e do cliente. Ao emprestar dinheiro, o banco corre riscos. Assim, quanto maior for o risco, maior será a taxa de spread que a entidade irá propor ao cliente. A margem de lucro pretende compensar o risco e, naturalmente, remunerar a instituição financeira.

Como tal, antes de iniciar o processo de concessão de crédito, a instituição credora realiza uma análise à documentação que o cliente fornece, tendo em conta uma série de fatores, tais como: a idade, o estado civil, o rendimento e dimensão do agregado familiar ou a relação do cliente com o banco. Depois desta análise, o banco propõe um spread para aquele cliente e para aquela operação em particular.

Qual a importância do spread no contrato de crédito à habitação?

O spread reflete-se na prestação que o cliente paga ao banco todos os meses, sendo que se o valor associado a esta taxa for mais alto invariavelmente pagará mais na prestação mensal, sendo que o inverso também ocorre.

Ou seja, quanto mais alto o spread for tendencialmente poderá pagar um valor mais elevado ao banco todos os meses.

Assim, são cada vez mais as famílias que ponderam renegociar o spread ou até mesmo transferir o crédito para outra instituição para obter um valor mais favorável.

Mas será que é possível renegociar o spread?

Primeiramente, há que esclarecer que caso deseje renegociar esta taxa deverá contactar o seu banco e informá-lo desta sua pretensão. A instituição pedir-lhe-á a documentação necessária e posteriormente dar-lhe-á uma resposta sobre a viabilidade de tal pedido.

Portanto, o spread pode ser alterado no âmbito da renegociação e tem de ter mútuo acordo de ambas as partes: da instituição de crédito e do cliente.

Normalmente aquando do processo de renegociação, o banco pede garantias ao cliente, de forma a este poder usufruir de um maior alívio no montante da prestação mensal. Vários são os exemplos, tais como: Mostrar ao banco que tem uma situação profissional estável; Apresentar fiadores ou garantia imobiliária; Contratar produtos ou serviços, como por exemplo: cartões de crédito, fazer um PPR, associar seguros ao contrato de crédito em vigor, entre outros.

Informe-se connosco.

Conte com o apoio da DECO MADEIRA através do número de telefone 968 800 489/291 146 520, do endereço eletrónico deco.madeira@deco.pt. Pode também marcar atendimento via Skype. Siga-nos nas redes sociais Facebook, Twitter, Instagram, Linkedin e Youtube!

Recomendadas

NOS avança com dados móveis ilimitados nos novos cartões móveis com pagamento em fatura

“A NOS oferece dados móveis ilimitados até ao final do ano a todos os clientes com novos cartões móveis com pagamento em fatura”, refere a operadora em comunicado.

Securitas Direct contrata 70 profissionais até ao final do ano

“O processo de recrutamento vai incidir na procura de profissionais para a área comercial da empresa em todo o país, assim como técnicos de manutenção, atendimento ao cliente, administrativos e vigilantes de segurança, que vão trabalhar diretamente na Central Recetora de Alarmes”, indica o comunicado da Securitas Direct.

APB promove Open Day na banca para ensinar jovens a poupar e investir

“Ao longo da semana, iremos realizar dois webinars destinados aos alunos do ensino secundário e profissional sobre as opções de investimento disponíveis para quem quer começar a investir e os cuidados a ter na contratação destes produtos online”, anuncia a Associação Portuguesa de Bancos.
Comentários