Já ouviu falar em spread? Saiba qual a sua importância no crédito à habitação

O spread é definido pelo banco de acordo com o risco do contrato e do cliente. Ao emprestar dinheiro, o banco corre riscos. Assim, quanto maior for o risco, maior será a taxa de spread que a entidade irá propor ao cliente.

O mercado imobiliário está em constante evolução e cada vez mais são os consumidores que, ao contraírem crédito à habitação, se deparam com terminologias bancárias de difícil compreensão e acessibilidade.

Já ouviu falar em spread?

O spread corresponde a uma parcela da taxa de juro, definida pelo banco quando concede ao cliente um crédito. Numa definição simples, o spread não é mais do que o lucro do banco quando ‘empresta dinheiro’.

Mas como se calcula o spread?

Em que condições é aplicado aos contratos hipotecários?

O spread é definido pelo banco de acordo com o risco do contrato e do cliente. Ao emprestar dinheiro, o banco corre riscos. Assim, quanto maior for o risco, maior será a taxa de spread que a entidade irá propor ao cliente. A margem de lucro pretende compensar o risco e, naturalmente, remunerar a instituição financeira.

Como tal, antes de iniciar o processo de concessão de crédito, a instituição credora realiza uma análise à documentação que o cliente fornece, tendo em conta uma série de fatores, tais como: a idade, o estado civil, o rendimento e dimensão do agregado familiar ou a relação do cliente com o banco. Depois desta análise, o banco propõe um spread para aquele cliente e para aquela operação em particular.

Qual a importância do spread no contrato de crédito à habitação?

O spread reflete-se na prestação que o cliente paga ao banco todos os meses, sendo que se o valor associado a esta taxa for mais alto invariavelmente pagará mais na prestação mensal, sendo que o inverso também ocorre.

Ou seja, quanto mais alto o spread for tendencialmente poderá pagar um valor mais elevado ao banco todos os meses.

Assim, são cada vez mais as famílias que ponderam renegociar o spread ou até mesmo transferir o crédito para outra instituição para obter um valor mais favorável.

Mas será que é possível renegociar o spread?

Primeiramente, há que esclarecer que caso deseje renegociar esta taxa deverá contactar o seu banco e informá-lo desta sua pretensão. A instituição pedir-lhe-á a documentação necessária e posteriormente dar-lhe-á uma resposta sobre a viabilidade de tal pedido.

Portanto, o spread pode ser alterado no âmbito da renegociação e tem de ter mútuo acordo de ambas as partes: da instituição de crédito e do cliente.

Normalmente aquando do processo de renegociação, o banco pede garantias ao cliente, de forma a este poder usufruir de um maior alívio no montante da prestação mensal. Vários são os exemplos, tais como: Mostrar ao banco que tem uma situação profissional estável; Apresentar fiadores ou garantia imobiliária; Contratar produtos ou serviços, como por exemplo: cartões de crédito, fazer um PPR, associar seguros ao contrato de crédito em vigor, entre outros.

Informe-se connosco.

Conte com o apoio da DECO MADEIRA através do número de telefone 968 800 489/291 146 520, do endereço eletrónico deco.madeira@deco.pt. Pode também marcar atendimento via Skype. Siga-nos nas redes sociais Facebook, Twitter, Instagram, Linkedin e Youtube!

Recomendadas

Evite o desperdício neste Natal. Conheça algumas dicas para um Natal mais sustentável e económico

Quanto aos embrulhos, os enfeites dos presentes, sugerimos que não rasgue o papel de embrulho e experimente estimá-lo e guardá-lo. Já pensou em optar por papel de jornais ou revistas para os embrulhos? Original e divertido.

Europ Assistance e Club Tek lançam seguro contra danos e roubo de telemóveis, tablets e computadores

A seguradora garante a reparação do equipamento em caso de danos acidentais (elétricos, danos por água, quebra de teclas, danos no ecrã). Se a reparação não for possível, o cliente tem direito à substituição do equipamento por outro novo com as mesmas características.

Sabia que as dívidas também prescrevem? Saiba mais sobre estes prazos

Relembramos que existem exceções na lei que podem alterar algum destes prazos. Por isso, o melhor será sempre o consumidor contactar primeiramente entidades que o possam ajudar e não deixar arrastar a situação. 
Comentários