Jair Bolsonaro anuncia recandidatura contra o “comunismo” de Lula da Silva

O líder brasileiro assumiu a candidatura às eleições presidenciais de 2 de outubro durante a convenção Partido Liberal que reuniu cerca de 10 mil apoiantes, maioritariamente vestidos com as cores da bandeira do Brasil, um símbolo que foi “capturado” pela campanha do Presidente brasileiro.

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, foi hoje nomeado oficialmente candidato à reeleição nas eleições de 2 de outubro, numa convenção focada no voto das mulheres, dos nordestinos e contra o “comunismo” do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O líder brasileiro assumiu a candidatura às eleições presidenciais de 2 de outubro durante a convenção Partido Liberal que reuniu cerca de 10 mil apoiantes, maioritariamente vestidos com as cores da bandeira do Brasil, um símbolo que foi “capturado” pela campanha do Presidente brasileiro.

No evento no pavilhão desportivo do Maracanazinho no Rio de Janeiro, terra natal de Bolsonaro, marcaram presença vários ministros do Governo e figuras políticas, tais como o ex-Presidente Fernando Collor de Mello, o ex-jogador de futebol e senador Romário, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, e ainda a dupla sertaneja Mateus e Cristiano que cantaram o hino da campanha.

O general de reserva do exército Walter Souza Braga Netto foi também confirmado como o candidato a vice-Presidente.

Bolsonaro deu a primeira palavra à sua mulher Michelle, que numa mensagem com um tom altamente religioso recordou o ataque de que Bolsonaro foi vítima há quatro anos e elogiou as qualidades do seu marido, do qual ela disse “ele é o escolhido de Deus” para liderar o Brasil.

Durante o seu discurso, Bolsonaro piscou o olho ao voto das mulheres e aos nordestinos, uma região que maioritariamente apoia Lula.

Citando a construção de eólicas ‘offshore’ na costa do Nordeste o Presidente brasileiro afirmou: “O nosso Nordeste, tão esquecido por aqueles que diziam amar o nosso povo de lá”.

Bolsonaro voltou ainda a criticar a política do “ficar em casa” durante a pandemia, acusando governadores e prefeitos de terem retirado liberdades à população brasileira, uma dos mais atingidas no mundo ao contabilizar mais de 675.000 vítimas mortais de covid-19 e mais de 33 milhões de casos confirmados.

“Sentimos na pele o que é uma ditadura. Mas o tempo passa, as feridas cicatrizam”, disse.

Numa alusão a Lula, sem referir o nome, os seus apoiantes apressaram-se logo a cantar: “Lula ladrão, seu lugar é na prisão”.

“Esse cara”, disse Bolsonaro referindo-se ao ex-Presidente brasileiro e favorito à vitória nas eleições, quer “legalizar aborto, drogas” e impor a ideologia de género no país.

Garantindo que tudo fará para “não ver sentado naquela cadeira um comunista”, Bolsonaro disse que por causa das políticas de esquerda os seus vizinhos Venezuela, Chile e Argentina tornaram-se Estados falidos e pobres, procurando fazer a comparação com o que acontecerá caso Lula vença.

Entre leituras de passagens bíblicas, o Presidente brasileiro convocou ainda os seus apoiantes a participarem numa manifestação no dia 01 de setembro, dia em que o país celebra os 200 anos da sua independência.

“Nós somos a maioria, nós somos todos do bem. Nós temos a disposição para lutar pela nossa liberdade, pela pátria. Convoco todos vocês agora para que todo mundo, no 07 de setembro, vá as ruas pela última vez. Vamos às ruas pela última vez”, disse.

O Supremo Tribunal Federal, uma vez mais, não passou incólume às criticas do Presidente brasileiro.

Bolsonaro inflamou os seus apoiantes ao afirmar: “Hoje sabemos o que é”. De seguida o público gritou que “Supremo é o povo”.

Nos últimos meses, além de insistir que o sistema de votação eletrónica do país não é confiável, Bolsonaro tem intensificado os ataques a magistrados do Supremo Tribunal Federal (STF), tem dito que não respeitará determinadas decisões judiciais e tem pedido, repetidamente, a participação de militares no apuramento dos votos.

Na terça-feira, o Presidente brasileiro intensificou a sua campanha contra o voto em urnas eletrónicas num encontro convocado por si com dezenas de embaixadores, durante o qual colocou o sistema de votação em causa, sem apresentar provas.

Na quinta-feira, o ex-Presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva lançou a sua candidatura à Presidência ao lado do político conservador e ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin, que concorrerá consigo ao cargo de vice-presidente. Horas antes, o seu partido, o Partido dos Trabalhadores (PT) formalizou o apoio a Lula.

Lula da Silva lidera todas as sondagens sobre as intenções de voto nas presidenciais brasileiras, com média de cerca de 44% das intenções de voto, enquanto Bolsonaro tem o apoio de pouco mais de 30% dos eleitores.

Relacionadas

Tribunal dá cinco dias a Bolsonaro para responder sobre ataques ao sistema eleitoral

As declarações do presidente do Brasil sobre o sistema eleitoral não foram do agrado de todos. Em ano de eleições, os tribunais querem esmiuçar as opiniões do futuro candidato.
Recomendadas

Pentágono afirma que 80 mil soldados russos foram mortos ou feridos na Ucrânia

Cerca de 80.000 soldados russos foram mortos ou feridos desde o início da invasão da Ucrânia, disse hoje o número três do Pentágono, Colin Kahl, salientando que os alvos anunciados pelo Presidente russo, Vladimir Putin, ainda não foram atingidos.

Lapid diz que Israel “cumpriu todos os objetivos” no ataque à Faixa de Gaza

O primeiro-ministro israelita Yair Lapid afirmou hoje que a Operação Amanhecer contra a Jihad Islâmica em Gaza “cumpriu todos os seus objetivos” e que a totalidade do alto comando militar do grupo “foi atacado com êxito em três dias”.

Brasil/Eleições. Juíza pede à PGR investigação contra Bolsonaro por ataque às urnas eletrónicas

A juíza Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF) do Brasil, enviou esta segunda-feira à Procuradoria-Geral da União (PGR) um pedido de investigação contra o Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, por ter feito ataques ao sistema eleitoral num encontro com embaixadores.
Comentários