Jair Bolsonaro diz que cidadãos vão ter de assinar termo de responsabilidade para vacina da Covid-19

Jair Bolsonaro garantiu que a vacina não é obrigatória e que os cidadãos “vão ter de assinar termo de responsabilidade para tomar. Porque a Pfizer, por exemplo, é bem clara no contrato: nós não nos responsabilizamos por efeitos colaterais”.

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, destacou esta terça-feira que os cidadãos para acederem à vacina da Covid-19 teriam de assinar um termo de responsabilidade.

“Tem quem queira tomar [a vacina], então toma, a responsabilidade é tua. Se der algum problema aí, espero que não dê”, sublinhou Jair Bolsonaro em conversa com apoiantes em frente ao Palácio da Alvorada. O presidente brasileiro acrescentou que a vacina não é obrigatória e que os cidadãos “vão ter de assinar termo de responsabilidade para tomar. Porque a Pfizer, por exemplo, é bem clara no contrato: nós não nos responsabilizamos por efeitos colaterais”.

Esta terça-feira, Jair Bolsonaro garantiu que deve assinar um acordo de 20 mil milhões de reais (3,23 mil milhões de euros] para a compra de vacinas contra a Covid-19. O valor citado por Bolsonaro é de dez vezes maior do que aquele que foi investido para a compra da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e o laboratório AstraZeneca, no qual o governo desembolsará 1,9 mil milhões de reais (31 milhões de euros) para 100 milhões de doses.

O presidente brasileiro também questionou o período de eficácia da vacina contra o coronavírus. “Esta vacina agora, qual a validade dela? Tomamos hoje e ficamos imunes por quanto tempo? Daqui a quanto tempo temos de tomar outra dose? Está custando agora para nós, no início, 20 mil milhões”, salientou, citado pela imprensa local.

Jair Bolsonaro mostrou-se cético quanto à vacina, apesar de pagar para que o país a receba, mas defendeu tratamentos ineficazes, como o uso de hidroxicloroquina e reclamou do uso de máscaras. O presidente brasileiro rematou ainda o seu discurso dizendo que quem tem Covid agora é porque “ficou em casa”.

Relacionadas

Brasil quer 8,25 mil milhões de euros por ano para antecipar meta do Acordo de Paris

“Havendo o recebimento deste fluxo de recursos financeiros com este destino, nós consideraremos a hipótese de tornar o nosso compromisso de neutralidade hoje [terça-feira] assumido para 2060 em prazo anterior”, declarou Salles à imprensa local, sem se comprometer com outras datas.

PremiumApoiados por Bolsonaro e por Lula sofrem desaire nas grandes cidades

Segunda volta das municipais confirmou força do centro-direita que tenta recuperar o poder em 2022, vitorioso em São Paulo e no Rio de Janeiro. E provou que há vida na esquerda além do PT, que pela primeira vez não governa nenhuma capital estadual.

Bolsonaro imita apelo de Chávez na Venezuela e pede aos brasileiros para não demorarem no banho

“Se você puder apagar uma luz, o Brasil agradece”, disse Jair Bolsonaro numa transmissão em direto nas suas redes sociais, na qual recomendou aos brasileiros que “tomem banho um pouco mais rápido” para ajudar a economizar energia e evitar pagar mais por um serviço cujos preços estão a disparar.
Recomendadas

Desafios tecnológicos, burocracia, renováveis e perda de água em debate

A transição energética em Portugal e na Europa esteve em debate na conferência do sexto aniversário do Jornal Económico.

Transição energética não pode ser feita sem as pessoas

Empresas do sector energético destacam a importância das pessoas nos seus projetos. A transição não pode ser feita sem o envolvimento das populações locais e sem a conversão de postos de trabalho.

Escassez de carros e inflação dominam mercado da gestão de frotas

Há falta de carros, há falta de peças, há uma inflação galopante no preço das viaturas e há o perigo do abrandamento económico. São fatores negativos para as gestoras de frotas das empresas. Mas as gestoras têm soluções.
Comentários