Janeiro é sinónimo de aumentos na função pública

O Parlamento aprovou a 22 de novembro a reposição do pagamento integral das horas extraordinárias aos trabalhadores da função pública já a partir de janeiro de 2018.

O Parlamento aprovou a 22 de novembro a reposição do pagamento integral das horas extraordinárias aos trabalhadores da função pública já a partir de janeiro de 2018.

A medida, que constava da proposta de lei do Orçamento do Estado para 2018 (OE2018), teve os votos a favor de todos os grupos parlamentares exceto do PSD (abstenção), no primeiro dia das votações na especialidade dos vários artigos e propostas de alteração do OE2018, que aconteceu na Assembleia da República.

Na proposta orçamental para o próximo ano, o Governo tinha incluído um artigo para repor “a partir de 01 de janeiro de 2018” o pagamento do trabalho suplementar ou extraordinário, “não dando lugar ao pagamento de quaisquer retroativos”.

Atualmente, o valor das horas extraordinárias corresponde a um acréscimo de 12,5% na primeira hora e a 18,75% nas horas ou frações subsequentes.

Com o fim dos cortes, passam a vigorar os valores da lei do trabalho em funções públicas, ou seja, um acréscimo de 25% da remuneração na primeira hora e de 37,5% nas horas e frações seguintes. Aos feriados o acréscimo previsto na lei é de 50%.

A proposta orçamental prevê também que, no caso do setor empresarial do Estado, se considerem “repostos os direitos adquiridos na sua totalidade a partir de 1 de janeiro de 2018”, aplicando-se o disposto nos respetivos acordos de empresa.

Este artigo foi aprovado com os votos favoráveis do PS, do BE e do PCP, tendo o PSD e o CDS optado pela abstenção.

Quanto ao subsídio de refeição, foi aprovado o fim da tributação da totalidade deste subsídio e foi também aprovada uma proposta de alteração do PCP para acabar com o congelamento do seu valor.

 

Relacionadas

Cerca de 50 mil professores vão progredir na carreira em 2018

O descongelamento das carreiras vai permitir a progressão de mais de 50 mil professores no próximo ano, o que representa um custo adicional de 90,2 milhões de euros em salários, segundo dados do Governo.
Recomendadas

Eduardo Cabrita é candidato a diretor executivo da Frontex

O ex-ministro da Administração Interna apresentou a sua candidatura individual a este cargo em julho, tendo sido uma das 78 inscrições internacionais à posição máxima neste órgão europeu, avançou a rádio “Renascença” e confirmou o jornal online “Observador”.

Sindicatos desconvocam greve no Metro de Lisboa marcada para quarta-feira

No entanto, a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações entregou um novo pré-aviso de paralisação para 25 de outubro.

Saiba onde vão estar os radares da PSP neste mês de outubro

A Polícia de Segurança Pública tem uma lista de locais onde haverá operações de controlo de velocidade. Em Lisboa, esta quinta-feira, a ação ocorreu no Arco do Cego. Amanhã o foco será Amadora, Setúbal, Portalegre, Leiria, Bragança, Braga e Beja.
Comentários