Janira Hopffer Almada vai ser eleita hoje líder do PAICV pela terceira vez

A deputada Janira Hopffer Almada vai ser hoje eleita presidente do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV, oposição) pela terceira vez, em eleições internas em que é candidata única à sua sucessão.

Janira Hopffer Almada é candidata única para liderar o maior partido da oposição cabo-verdiana, após o deputado José Sanches ter desistido de apresentar a sua candidatura, alegando que está em curso um “golpe de assalto” à liderança do partido.

A única candidata desvalorizou os comentários e lembrou que desde que assumiu a liderança do partido pela primeira vez, em 2014, que vem sofrendo de ataques, mas que não ficou fragilizada por isso, por entender que todas as lideranças têm de ter capacidade para lidar com as críticas.

E pediu um “debate salutar” em torno de ideias, bem como a união do partido em torno de causas e não de pessoas, para que o PAICV seja uma “alternativa credível” à governação de Cabo Verde.

Na sua Moção de Estratégia e Orientação Política Nacional, Janira Hopffer Almada propôs que a eleição do presidente do partido seja alargada aos simpatizantes e que as regras para exercício do cargo sejam mais bem reguladas.

Mas também propõe alterações aos estatutos do partido, para melhorar a articulação no grupo parlamentar do PAICV e regular os compromissos assumidos pelos titulares de cargos políticos propostos pelo partido.
Janira Almada prometeu ainda apostar na formação dos ativos e dos militantes, na mobilização da juventude e das mulheres.

Depois da eleição, o XVI congresso ordinário vai decorrer entre 31 de janeiro e 02 de fevereiro de 2020, que vai servir também para eleger os novos órgãos do partido.

Janira Hopffer Almada é a quinta pessoa na presidência do partido e a primeira mulher a liderar o PAICV, depois de Aristides Maria Pereira, Pedro Pires, Aristides Raimundo Lima e José Maria Neves.

Na sua primeira eleição, em 2014, Janira Almada, que ainda era ministra da Juventude, Emprego e Desenvolvimento dos Recursos Humanos de Cabo Verde, obteve 51,24% dos votos, contra 40, 31 de Felisberto Vieira, que era líder parlamentar do partido, e 8,45 de Cristina Fontes Lima, então ministra adjunta e da Saúde.

Em 2016, e após 15 anos no poder, o PAICV perdeu as legislativas para o Movimento para a Democracia (MpD), liderado por Ulisses Correia e Silva. Na reeleição, em 2017, como candidata única e já com o PAICV na oposição, Janira Hopffer Almada ganhou com mais de 90% dos votos dos cerca de 35 mil militantes do PAICV no país e na diáspora.

Recomendadas

Cabo Verde quer cortar perdas de eletricidade na rede pública em 5,5 pontos em 2023

O Banco Europeu de Investimento vai financiar com 110 milhões de escudos (um milhão de euros) um programa para reduzir em 5,5 pontos percentuais as perdas de eletricidade na rede pública de distribuição em Cabo Verde em 2023, segundo o Governo.

CPLP: presidente da Guiné Equatorial à frente das contagens com 99,7% dos votos

A oposição denúncias fraude em massa e o único partido da oposição recusa reconhecer a vitória do líder octogenário, Teodoro Obiang. Há um mês, a CPLP congratulava-se com a integração do país como “Estado de pleno direito”.

Cabo Verde. Presidente assinala primeiro ano de mandato com críticas à crispação e avisos ao Governo

O Presidente da República cabo-verdiana, José Maria Neves, criticou hoje a “crispação” que permanece na política nacional, alertou que os tempos atuais “exigem consensos” e avisou que não é oposição, mas também não é “claque” do Governo.
Comentários