Japão entra em nova recessão

A economia do Japão voltou a contrair-se entre julho e setembro, o que supõe a sua segunda entrada em recessão em dois anos.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031
O PIB do Japão retrocedeu 0,8% no terceiro trimestre em comparação com o mesmo período do ano anterior, arrastado sobretudo pela queda do investimento empresarial, segundo os dados publicados pelo executivo nipónico, o que aumenta a pressão sobre o Governo liderado por Shinzo Abe para tomar medidas adicionais de estímulo.

A recuperação do consumo doméstico e das exportações, dois dos pilares da terceira economia mundial, não compensaram o impacto da desaceleração chinesa, o que levou as empresas nipónicas a ser mais conservadores nos seus investimentos de capital corporativo e a reduzir os seus inventários, de acordo com a Efe.

Trata-se da segunda contração trimestral consecutiva do PIB após a registada entre abril e junho, de 0,7%, pelo que a economia nipónica voltou a cair em recessão técnica.
OJE
Recomendadas

Taxas médias das Euribor sobem em novembro, mas menos do que em outubro

Além de uma desaceleração face a outubro, as taxas médias da Euribor subiram mais acentuadamente nos prazos mais curtos do que nos mais longos, já que cresceram 0,397 pontos a três meses, 0,324 pontos a seis meses e 0,199 pontos a 12 meses.

PSI no ‘verde’ no início da sessão em linha com praças europeias

No mercado petrolífero, o brent sobe 0,80% para 84,92 dólares e o crude avança 0,72% para 78,76 dólares.

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta quarta-feira

Portugal tem mostrado algum atraso em relação ao resto da zona euro no que respeita à pressão nos preços, continuando numa dinâmica de aceleração que se estende ao indicador subjacente, levantando mais preocupações quanto à duração e extensão do fenómeno na economia nacional.