Japão, EUA e NATO condenam disparo de míssil norte-coreano

Estados Unidos, Japão e NATO condenaram hoje o disparo pela Coreia do Norte de um míssil balístico sobre o Japão, comprometendo-se a coordenar uma resposta multilateral à provocação do regime do presidente Kim Jong-un.

Military vehicles carry missiles with characters reading ‘Pukkuksong’ during a military parade marking the 105th birth anniversary of country’s founding father, Kim Il Sung in Pyongyang, April 15, 2017. REUTERS/Damir Sagolj TPX IMAGES OF THE DAY

Durante uma conversa telefónica, o presidente dos EUA, Joe Biden, e o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, “condenaram juntos (…) nos termos mais fortes” a iniciativa da Coreia do Norte, que hoje disparou um míssil balístico que sobrevoou o Japão.

De acordo com um relato da Casa Branca, Biden aproveitou para reafirmar “o firme compromisso (dos Estados Unidos) de defender o Japão”, e os dois líderes comprometeram-se a “continuar a coordenar uma resposta imediata e bilateral – ou trilateral, com a Coreia do Sul”.

Horas antes, o conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Jake Sullivan, já tinha conversado com o seu homólogo japonês, Akiba Takeo, e com o diretor da agência de Segurança Nacional da Coreia do Sul, Kim Sung-han, para discutir o episódio do disparo do míssil norte-coreano.

Também o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, condenou hoje a “perigosa” manobra da Coreia do Norte, lembrando que estas práticas violam as resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

“Condeno veementemente os perigosos e desestabilizadores testes de mísseis da Coreia do Norte”, disse Stoltenberg, numa mensagem difundida nas redes sociais.

O secretário-geral da NATO pediu a Pyongyang que abandone o seu programa nuclear e se comprometa com a diplomacia, reafirmando a solidariedade dos aliados com o Japão e com a Coreia do Sul, principais vítimas da insegurança gerada pelo regime de Kim Jong-un.

Esta é a primeira vez em cinco anos que a Coreia do Norte lança um míssil balístico sobre o território japonês, cujo Governo emitiu um alerta à população das regiões de Hokkaido e Aomori, no norte do país, pedindo aos moradores para se protegerem.

Tóquio considera que as ações da Coreia do Norte “ameaçam a paz e a segurança do Japão, da região e da comunidade internacional e representam um sério desafio para toda a comunidade internacional”.

Ao longo deste ano, a Coreia do Norte já testou cerca de 40 mísseis, em cerca de 20 lançamentos, enquanto Kim Jong-un se recusa a negociar o abandono do seu programa nuclear.

Recomendadas

Humanidade só se salva se defender o planeta Terra e a biodiversidade- Guterres

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, afirmou hoje que a única saída para salvar a Humanidade é “investir no planeta Terra” e deter a perda de biodiversidade.

Peru: Vice-Presidente investida como nova chefe de Estado

Dina Boluarte, anterior vice-presidente peruana, foi empossada como a nova chefe de Estado, depois de Pedro Castillo ter sido destituído pelo Congresso, acusado de tentar executar um golpe de Estado ao anunciar a dissolução daquele órgão.

Irão: Greve resulta em mais um dia de repressão de protestos estudantis

O Irão viveu mais uma jornada de greve com o comércio parcialmente fechado e manifestações de estudantes universitários contra o regime, reprimidas pelas forças de segurança.
Comentários