JE editors Talks chegaram a mais de 350 mil pessoas e geraram 80 mil visualizações

A iniciativa lançada no começo da pandemia, que obrigou toda a equipa do Jornal Económico a trabalhar remotamente, já chegou a cerca de 350 mil pessoas e resultou em 80 mil visualizações.

Uma vez que, por uma questão de segurança, toda a equipa do Jornal Económico se encontrava em regime de teletrabalho, a iniciativa foi desenvolvida a 100% de forma digital e remota. 

 

As JE editors Talks, iniciativa lançada em abril a par com os Especiais do Jornal Económico, chegaram a mais de 350 mil pessoas e resultaram em cerca de 80 mil visualizações. O projeto foi lançado com o objetivo de debater e entender o impacto da pandemia do novo coronavírus nos diferentes setores e áreas da sociedade portuguesa.

Num momento em que o país abraça a possibilidade de um lento desconfinamento, as JE editors Talks têm servido ao longo dos últimos três meses para abordar os principais key-players de cerca de 20 áreas diferentes sobre o impacto, o futuro, os desafios e as oportunidades que as suas áreas e negócios enfrentam com o evoluir da pandemia.

Em baixo, recorde os temas já abordados e clique para rever e partilhar aqueles que mais lhe interessam.

Recomendadas

Empresas reafirmam investimento contra riscos cibernéticos

A cibersegurança é uma prioridade para as empresas. O reforço do investimento na proteção de contra ataques mantém-se apesar da conjuntura atual marcada pela subida dos custos. 

Equinix cria fundo solidário de 50 milhões para promover a inclusão digital

A empresa de tecnologia norte-americana criou uma nova estrutura de apoio educativo. O conselho de administração da fundação irá, todos os anos, determinar o montante de doações da fundação, de modo a cobrir a concessão de contribuições ou a correspondência com as ofertas dos colaboradores.

Tecnológica portuguesa Innowave compra Cycloid

Desde 2018 que o grupo tem uma forte estratégia de M&A. “Esta aquisição é mais um passo na nossa estratégia de crescimento, materializada também na criação de centros de competência em Portugal, como é o caso de Lisboa, Porto, Coimbra, Faro e Beja”, afirmou o CEO da Innowave, Tiago Gonçalves.
Comentários