JE editors Talks: “Economia digital: oportunidades e desafios no ensino do Direito”

Uma conversa sobre o futuro do ensino de Direito num contexto pós-pandémico – as mais-valias do blended learning e a oportunidade de inovação e globalização – para assistir já no dia 27 de maio, às 15h.

 

Numa altura em que a crise gerada pelo novo coronavírus obriga instituições e empresas a repensar o seu modelo de trabalho e a reforçar a componente digital, surge cada vez mais em discussão o termo “blended learning” que, no fundo, sustenta que o ensino se pode repartir entre aulas físicas e aulas à distância.

O ensino digital não é uma novidade, mas tornou-se em poucas semanas a única alternativa possível. Se por um lado, há quem veja na pandemia o fim de uma era, há quem a reconheça como uma oportunidade para adaptar metodologias e, por arrasto, o sistema de ensino.

É neste sentido que no próximo dia 27 de maio às 15h discutimos a reação, a adaptação e a aprendizagem que esta pandemia obrigou as instituições de ensino a concretizar. Olhamos para o próximo ano letivo e tentamos perceber como se torna uma crise numa oportunidade.

À conversa estarão Jorge Pereira da Silva, Diretor da Escola de Lisboa da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa e Gonçalo Saraiva Matias, Diretor da Católica Global School of Law. Será também uma oportunidade para perceber que implicações estes novos hábitos terão na oferta, nos conteúdos e nos programas de Direito e, por associação, nos números da empregabilidade do setor e na globalização do ensino do Direito.

Poderá assistir a esta, como todas as JE editors Talks, no Facebook e no site d’O Jornal Económico.

 

Este conteúdo patrocinado foi produzido em colaboração com a Escola de Lisboa da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa com a Católica Global School of Law.

Recomendadas

Metro de Lisboa tem um novo Provedor do Cliente e é o ex-ministro Vieira da Silva

Vieira da Silva foi eleito Provedor do Cliente do Metro de Lisboa, mas é “um contrato de prestação de serviço não remunerado”. O mandato é de um ano, renovável sucessivamente por iguais períodos.

“Nem eu nem a FPF quisemos criar esquema para iludir a AT”, defende selecionador sobre empresa que detém

Fernando Santos pretendia a anulação de liquidação de IRS no valor de cerca de 4 milhões de euros, verba relativa aos anos 2016 e 2017, sabe o JE. O contrato celebrado entre o selecionador e a FPF foi efetuado através de uma empresa, sendo que o respetivo IRC já foi liquidado.

NOS avança com dados móveis ilimitados nos novos cartões móveis com pagamento em fatura

“A NOS oferece dados móveis ilimitados até ao final do ano a todos os clientes com novos cartões móveis com pagamento em fatura”, refere a operadora em comunicado.
Comentários