JE lança “Quem é Quem na Advocacia de Negócios em Portugal” no dia 25 de novembro

O Jornal Económico vai publicar na próxima sexta-feira, 25 de novembro, a edição de 2022 do “Quem é Quem na Advocacia de Negócios em Portugal”, o nosso anuário sobre as sociedades de advogados nacionais.

O Jornal Económico vai publicar na próxima sexta-feira, 25 de novembro, a edição de 2022 do “Quem é Quem na Advocacia de Negócios em Portugal”, o nosso anuário sobre as sociedades de advogados nacionais.

A edição deste ano será distribuída como encarte do JE, com uma análise de fundo sobre as perspetivas da economia para o próximo ano e o seu impacto nos serviços jurídicos, com uma antevisão da atividade nas diferentes áreas de prática, desde o M&A às Insolvências, passando pelo Laboral e Fiscal, entre outras.

Teremos ainda uma entrevista com o presidente da Associação de Sociedades de Advogados de Portugal (ASAP), José Luís Moreira da Silva, que poderá ler, em versão reduzida, na página 26 do Jornal Económico de hoje. Teremos ainda uma peça sobre quatro jovens advogados que estão a dar cartas na profissão e o habitual Fórum de Líderes, onde damos voz aos managing partners dos escritórios nacionais. A segunda parte do “Quem é Quem” é de cariz comercial, com um anuário das sociedades de advogados nacionais, com fichas de apresentação e respetivos contactos.

Recomendadas

“Noto em Portugal uma cultura relojoeira cada vez mais robusta”

Enquanto administrador do Grupo Tempus, distribuidor exclusivo para Portugal de marcas de referência, David Kolinski tem a certeza de que as insígnias representadas pela sua empresa continuarão a saber surpreender os seus clientes com lançamentos e coleções inesperadas.

A hora é agora!

Apesar da crise que afeta a Europa e os EUA, verifica-se uma procura crescente pela relojoaria de luxo, com listas de espera para modelos de diversas marcas.

2022, ano de esperança: “recuperação criativa e comercial”

O que procura o consumidor num relógio? “Atualmente os clientes compram um relógio pela beleza da peça. Usam-no como uma joia e não como uma ferramenta”, diz Carlos Rosillo, CEO da Bell & Ross.
Comentários