Jerónimo de Sousa abandona liderança do PCP. Paulo Raimundo será o substituto

O histórico líder comunista, secretário-geral do PCP há 18 dos seus 75 anos de vida, retira-se por motivos de saúde. O sucessor, de 46 anos, é visto como tendo um perfil mais jovem e “preparado para uma responsabilidade que associa a dimensão pública à ligação, contacto e identificação com os trabalhadores e as massas populares”.

Cristina Bernardo

O Partido Comunista Português (PCP) anunciou este sábado que o seu líder de longa data, Jerónimo de Sousa, irá abandonar o cargo de secretário-geral, sendo substituído por Paulo Raimundo. A decisão foi anunciada em comunicado, onde é explicado que o histórico líder comunista se retira por razões de saúde.

“Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP, no prosseguimento de uma avaliação própria, refletindo sobre a sua situação de saúde e as exigências correspondentes às responsabilidades que assume, colocou a questão da sua substituição nas funções que desempenha”, pode-se ler no comunicado do partido.

Recorde-se que Jerónimo de Sousa, de 75 anos, ocupava o cargo de secretário-geral do PCP há 18 anos. Nas últimas eleições, o líder dos comunistas teve de se ausentar da campanha por motivos de saúde.

O PCP reúne em Conferência Nacional no próximo dia 12 de novembro, quando o Comité Central do partido deverá aprovar o nome de Paulo Raimundo como novo líder.

O sucessor de Jerónimo de Sousa tem 46 anos e e visto como sendo “de uma geração mais jovem, com um percurso de vida marcado por uma experiência diversificada, com capacidade, inserção no coletivo, preparado para uma responsabilidade que associa a dimensão pública à ligação, contacto e identificação com os trabalhadores e as massas populares e com o Partido, as suas organizações e militantes”, lê-se no comunicado deste sábado.

Recomendadas

Costa pede novas regras fiscais europeias que permitam investimentos estratégicos

Quando a União Europeia debate uma revisão das regras fiscais e financeiras o primeiro-ministro, António Costa, considera que existe uma proposta da Comissão que já tem “contributos muito positivos”, no entanto, é necessário, para além desses contributos, “um estabilizador macroeconómico permanente”, para “estabilização em situações de crise”.

Detida vice-presidente do Parlamento Europeu em investigação de lóbi ilegal do Qatar

A social-democrata grega Eva Kaili, está entre os cinco detidos na Bélgica no âmbito de uma investigação sobre alegado lóbi ilegal do Qatar para influenciar decisões políticas em Estrasburgo, diz a imprensa belga.

Eutanásia: Montenegro reitera dúvidas e diz que PS e Chega são “cúmplices no medo do referendo”

A Assembleia da República aprovou a despenalização da morte medicamente assistida em votação final global, pela terceira vez, com votos a favor da maioria da bancada do PS, da IL, do BE, dos deputados únicos do PAN e Livre e ainda de seis parlamentares do PSD. Votaram contra a maioria da bancada do PSD, os grupos parlamentares do Chega e do PCP e seis deputados do PS, registando-se três abstenções entre os sociais-democratas e uma na bancada socialista.
Comentários