Jerónimo Martins prevê investir 50 milhões por ano no setor agroalimentar

O grupo Jerónimo Martins prevê investir “50 milhões de euros” por ano no setor agroalimentar em Portugal, em áreas como os laticínios, produção de bovinos e aquacultura, anunciou um dos responsáveis da empresa, António Serrano. “O que nós estamos comprometidos é que temos condições de poder afetar cerca de 50 milhões de euros (por ano […]

O grupo Jerónimo Martins prevê investir “50 milhões de euros” por ano no setor agroalimentar em Portugal, em áreas como os laticínios, produção de bovinos e aquacultura, anunciou um dos responsáveis da empresa, António Serrano.

“O que nós estamos comprometidos é que temos condições de poder afetar cerca de 50 milhões de euros (por ano e sem datas ainda definidas) para estas atividades, à medida que surgem as oportunidades”, disse o presidente da Jerónimo Martins Agroalimentar, António Serrano, em declarações à agência Lusa.

“É um volume muito importante. Julgamos que, para começar, é talvez dos volumes mais elevados na área privada. Não há hoje investimentos privados no setor agrícola desta dimensão e este é o compromisso da Jerónimo Martins”, sublinhou.

O responsável falava, no Centro de Congressos da Câmara de Portalegre, após a assinatura de um acordo entre o município, cooperativa Serraleite e o grupo Jerónimo Martins, que vai investir cerca de 40 milhões de euros na construção de uma fábrica naquela cidade alentejana.

O investimento do grupo Jerónimo Martins em Portalegre tem como objetivo desenvolver a transformação de leite, prevendo que a abertura da fábrica possa ocorrer no primeiro trimestre de 2017.

Indicando que a empresa, em 2015, conta “já ter experiencias” em todas as áreas [laticínios, produção de bovinos e aquacultura], o presidente da Jerónimo Martins Agroalimentar adiantou que vão ser analisadas “outras oportunidades” de investimento “já em carteira”.

Um dos passos da estratégia do grupo foi hoje dado com a assinatura de protocolos relativos à instalação, na zona industrial de Portalegre, de uma unidade fabril destinada à produção, transformação e comercialização de leite e produtos lácteos.

Este investimento do grupo Jerónimo Martins vai criar “cerca de 40 postos de trabalho diretos”, estando previsto que os indiretos sejam em “número superior”.

As obras devem arrancar “em breve”, uma vez que o processo negocial com o município e com a cooperativa Serraleite, empresa que também se dedica à produção de leite, está concluído.

A cooperativa Serraleite, com sede em Portalegre, também é “parceira” da Jerónimo Martins Agroalimentar neste novo projeto.

De acordo com o grupo, a cooperativa Serraleite, que conta nos seus quadros com 70 funcionários, “assegurará o abastecimento da nova fábrica” ao nível da matéria-prima.

“O escoamento da produção leiteira dos atuais associados da cooperativa estará assegurado e haverá, certamente, espaço para outros produtores se associarem à cooperativa. Para além disto, a Serraleite terá uma participação no capital da nova unidade”, disse António Serrano.

A Jerónimo Martins Agroalimentar optou por realizar este investimento em Portalegre “na sequência da relação de parceria de negócio” que mantêm desde há cinco anos com a cooperativa Serraleite.

OJE/Lusa

Recomendadas

Grupo Stellantis e DST Solar nas Agendas Mobilizadoras

A inovação verde para a indústria automóvel passa pelas Agendas Mobilizadoras. O ISQ&CTAG irá investir 6,2 milhões de euros.

TAAG recebe aviso de greve dos pilotos com início a 7 de outubro

O Sindicato de Pilotos de Linha Aérea (SPLA) decretou uma greve a partir de 7 de outubro, tendo já sido enviado o aviso de greve à TAAG – Linhas Aéreas de Angola na sexta-feira, anunciou este sábado a companhia aérea angolana.

Infraestruturas de Portugal registou lucro de 32,4 milhões no primeiro semestre

Este valor significa uma recuperação de 71,3 milhões de euros em comparação com os prejuízos de 38,9 milhões de euros verificados no mesmo período de 2021.