Jerónimo Martins quer investir entre 700 e 800 milhões na Polónia até 2017

O grupo Jerónimo Martins anunciou hoje que pretende investir entre 700 e 800 milhões de euros entre 2015 e 2017 na rede de retalho Biedronka, na Polónia, prevendo a abertura de 300 novas lojas da rede de retalho. Em comunicado enviado à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o grupo português de distribuição explica […]

O grupo Jerónimo Martins anunciou hoje que pretende investir entre 700 e 800 milhões de euros entre 2015 e 2017 na rede de retalho Biedronka, na Polónia, prevendo a abertura de 300 novas lojas da rede de retalho.

Em comunicado enviado à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o grupo português de distribuição explica que 40% do investimento total será direcionado para “melhorar o atual parque de lojas”.

A Jerónimo Martins, que realiza hoje o ‘Biedronka Day’, dirigido aos investidores, estima que este investimento lhe permita aumentar as vendas para os 11 mil milhões de euros na Polónia até 2017, embora estejam “conscientes de que a deflação alimentar será um desafio”.

As ações da Jerónimo Martins seguiam pelas 09:30 a negociar na Euronext Lisbon com uma valorização de perto de 6% para 8,48 euros.

OJE/Lusa

Recomendadas

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Irão: Impacto das sanções dos EUA prejudica cooperação com Portugal

Mortza Damanpak Jami destaca que as relações comerciais podem sair afetadas, mas as culturais têm-se desenvolvido, com “muitas oportunidades e muitos programas ligados à cultura”.