Jerusalém: Confrontos na cidade velha, Hebron, Jericó, Belém e Nablus

As autoridades registaram hoje confrontos em Jerusalém e na Cisjordânia, entre as forças israelitas e palestinianos que protestavam contra o reconhecimento pelos Estados Unios da cidade de Jerusalém como capital de Israel.

Várias dezenas de palestinianos e cerca de cinquenta polícias israelitas envolveram-se numa breve mas intensa briga nas ruas da cidade velha, em Jerusalém Oriental, resultando em vidros partidos nas montras das lojas próximas, constatou um fotógrafo da agência France Presse.

Os polícias repeliram os manifestantes com bastões e cassetetes, fazendo com que estes fugissem para as ruas adjacentes.

Em Jerusalém e na Cisjordânia, até meio do dia, registaram-se poucos confrontos.

No entanto, em Hebron, Belém, Jericó e perto de Nablus, as forças israelitas dispararam balas de borracha e lançaram gás lacrimogéneo contra jovens palestinianos que os atingiram com pedras, reportaram jornalistas da AFP e várias testemunhas. Os jovens traziam a cara coberta.

Em Hebron, centenas de manifestantes escondidos em vários pontos da cidade lançaram pedras contra os soldados.

Hoje, sexta-feira, dia da principal oração da semana dos muçulmanos, esperam-se fortes confrontos na região. Vários movimentos islâmicos palestinianos apelaram a que hoje se cumprisse um dia “de raiva” por causa da decisão anunciada na quarta-feira pelo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como capital de Israel.

Os Estados Unidos transformaram-se assim no único país do mundo a reconhecer Jerusalém como capital de Israel.

A comunidade internacional nunca reconheceu Jerusalém como capital de Israel, nem a anexação da parte oriental da cidade, conquistada em 1967.

Israel considera a Cidade Santa a sua capital “eterna e reunificada”, mas os palestinianos defendem pelo contrário que Jerusalém-leste deve ser a capital do Estado palestiniano ao qual aspiram, num dos principais diferendos que opõem as duas partes em conflito.

A diplomacia mundial, com exceção de Israel, mostrou-se contra, ou condenou mesmo, a decisão.

Relacionadas

Jerusalém: Turquia aumenta segurança em embaixadas de Israel e EUA no país

A polícia turca aumentou as medidas de segurança às representações diplomáticas de Israel e dos Estados Unidos no país, perante o provável reforço dos protestos contra a decisão norte-americana de reconhecer Jerusalém como capital de Israel.

Portugal preocupado com decisão dos EUA de transferir Embaixada em Israel para Jerusalém

O ministro dos Negócios Estrangeiros português defende que devem ser evitadas quaisquer tomadas de posição unilaterais que fragilizem os esforços em prol solução dos dois Estados, baseada na coexistência pacífica, lado a lado, de Israel e da Palestina.

Terceira Intifada: dia 8 de dezembro será “um dia de ira”, avisa Hamas

O anúncio surge um dia depois do presidente norte-americano, Donald Trump, ter reconhecido a cidade de Jerusalém como a capital de Israel.

UE: anúncio de Trump pode trazer “tempos mais sombrios”

O anúncio do chefe de Estado norte-americano pode “levar-nos a tempos ainda mais sombrios do que os que vivemos hoje”, segundo a chefe da diplomoção da União Europeia.

Capitais dos Estados: como são escolhidas e o que representam

Alavancada na enorme polémica em torno do reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel por parte dos Estados Unidos, a britânica BBC produziu um ensaio sobre o significado de capital.
Recomendadas

Ucrânia: Biden diz que aliados da NATO não serão “intimidados” por Putin

O Presidente norte-americano, Joe Biden, afirmou hoje que os Estados Unidos e seus aliados não se deixarão “intimidar” pelo seu homólogo russo Vladimir Putin, e prometeu que a NATO defenderá “cada centímetro” do seu território.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Grupo de direitos das mulheres apela à FIFA que exclua Irão do Campeonato do Mundo

“Por que a FIFA daria ao Estado iraniano e aos seus representantes um palco global, enquanto não apenas se recusa a respeitar os direitos humanos e dignidades básicos, mas atualmente está a torturar e matar o seu próprio povo?”, questionam na carta enviada ao representante do organismo.
Comentários