Jerusalém: EUA dizem-se empenhados na paz e criticam hostilidade da ONU contra Israel

Nikki Haley falava no decorrer da reunião de urgência do Conselho de Segurança da ONU, convocada a propósito da decisão do Presidente Donald Trump de reconhecer unilateralmente Jerusalém como capital de Israel.

Os Estados Unidos “continuam empenhados no processo de paz” no Médio Oriente, disse hoje no Conselho de Segurança da ONU a embaixadora Nikki Haley, numa declaração na qual também acusou as Nações Unidas de “hostilidade contra Israel”.

Nikki Haley falava no decorrer da reunião de urgência do Conselho de Segurança da ONU, convocada a propósito da decisão do Presidente Donald Trump de reconhecer unilateralmente Jerusalém como capital de Israel. A decisão de Trump foi recebida com hostilidade pela diplomacia internacional, com a exceção de Israel, e com condenação pelo Mundo Árabe, que convocou protestos em Jerusalém, Faixa de Gaza e Cisjordânia.

Os confrontos hoje nos territórios ocupados fizeram pelo menos um morto e mais de uma centena de feridos entre os manifestantes palestinianos, que lançaram pedras e cocktails molotov contra soldados israelitas. Estes responderam a tiro, com balas de borracha e fogo real.

Na reunião do Conselho de Segurança, Nikki Haley criticou a “hostilidade [das Nações Unidas] contra Israel”, que existe “desde há muitos anos”.

Também defendeu que a ONU deve aceitar “o óbvio” e reconhecer Jerusalém como capital de Israel.

“As Nações Unidas danificaram mais as possibilidades de uma paz no Médio Oriente do que as fizeram avançar”, referiu Nikki Haley.

No entanto, Nikki Haley sublinhou que os Estados Unidos “continuam empenhados no processo de paz” no Médio Oriente, mas rejeitam “sermões ou lições”.

“Compreendo que a mudança seja difícil” para os outros membros da comunidade internacional, acrescentou a diplomata. “Mas as nossas ações visam fazer avançar a causa da paz. (…) Queremos um acordo negociado”, completou.

Para a embaixadora dos EUA junto da ONU, o Presidente Trump “não tomou posição sobre os limites das fronteiras” de Jerusalém, Gaza ou Cisjordânia. O “’status quo’ quanto aos locais sagrados mantém-se”, sublinhou.

A reunião de urgência do Conselho de Segurança, composto por 15 membros, foi solicitada pela Suécia, a França, a Itália, o Reino Unido, a Bolívia, o Uruguai, o Egito e o Senegal.

Vários destes Estados consideram que a decisão norte-americana viola as resoluções da ONU.

Relacionadas

Jerusalém: Presidente russo reúne-se em Ancara com homólogo turco

Vladimir Putin efetua na segunda-feira uma visita a Ancara para debater com o seu homólogo turco Recep Erdogan questões relacionadas com Jerusalém e a Síria, anunciou hoje a presidência turca.

Jerusalém: Turquia aumenta segurança em embaixadas de Israel e EUA no país

A polícia turca aumentou as medidas de segurança às representações diplomáticas de Israel e dos Estados Unidos no país, perante o provável reforço dos protestos contra a decisão norte-americana de reconhecer Jerusalém como capital de Israel.

Jerusalém: Confrontos na cidade velha, Hebron, Jericó, Belém e Nablus

As autoridades registaram hoje confrontos em Jerusalém e na Cisjordânia, entre as forças israelitas e palestinianos que protestavam contra o reconhecimento pelos Estados Unios da cidade de Jerusalém como capital de Israel.
Recomendadas

Ucrânia: Biden diz que aliados da NATO não serão “intimidados” por Putin

O Presidente norte-americano, Joe Biden, afirmou hoje que os Estados Unidos e seus aliados não se deixarão “intimidar” pelo seu homólogo russo Vladimir Putin, e prometeu que a NATO defenderá “cada centímetro” do seu território.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Grupo de direitos das mulheres apela à FIFA que exclua Irão do Campeonato do Mundo

“Por que a FIFA daria ao Estado iraniano e aos seus representantes um palco global, enquanto não apenas se recusa a respeitar os direitos humanos e dignidades básicos, mas atualmente está a torturar e matar o seu próprio povo?”, questionam na carta enviada ao representante do organismo.
Comentários