‘Jihadistas’ do Boko Haram matam 17 pessoas após dois ataques terroristas no nordeste da Nigéria

Esta organização terrorista já assassinou mais de 27 mil civis e causou cerca de dois milhões de deslocados, segundo dados da ONU.

Pelo menos 17 pessoas morreram em dois ataques do grupo terrorista islâmico Boko Haram nos estados de Borno e Adamawa, no nordeste da Nigéria, na véspera do Natal, disseram hoje, dia 26 de dezembro, à agência EFE testemunhas e fontes da segurança, citadas pela Lusa.

No ataque à aldeia predominantemente cristã de Pemi, no estado de Borno, o grupo saqueou um hospital e raptou um padre antes de atear fogo à unidade de saúde e à igreja da aldeia, de acordo com o líder das milícias locais Abwaku Kabu.

“Atacam-nos quando estamos a cozinhar, é quando nos vêm matar, além de destruir e roubar a nossa comida de Natal”, disse Abubakar Umar, um dos habitantes da aldeia, num contacto telefónico com a EFE, adiantando que o mesmo aconteceu no ano passado.

Segundo fontes da segurança que não quiseram ser identificadas, os ‘jihadistas’ chegaram em camiões e motorizadas e começaram a disparar indiscriminadamente, tendo matado 11 pessoas, além de saquearem casas, queimarem duas igrejas e sequestrarem um padre.

Na mesma tarde de 24 de dezembro, o Boko Haram atacou a cidade de Garkida, no estado de Adamawa, matando pelo menos seis pessoas, incluindo um polícia, confirmaram à EFE fontes locais.

Segundo fontes policiais citadas pelo jornal local ‘Daily Trust’, o ataque durou várias horas e pelo menos três pessoas foram sequestradas, apesar da presença de forças militares na zona.

Criado em 2002 em Maiduguri (capital do estado de Borno) para denunciar o abandono do norte do país pelas autoridades, o Boko Haram já assassinou mais de 27 mil civis e causou cerca de dois milhões de deslocados, segundo dados da ONU.

 

Recomendadas

Bósnia-Herzegovina: eleições ensombradas por milhares de votos inválidos

Quatro dias após as eleições, ainda não há resultados validados e o risco do não reconhecimento do ato eleitoral ou da sua repetição é grande. Entretanto, na República Srpska, Mirolad Dodic jura fidelidade a Moscovo.

Lado turco de Chipre exige reconhecimento às forças de paz da ONU

A República Turca do Chipre do Norte, país que só a Turquia reconhece, quer que a força de paz da ONU, que está no terreno desde 1964, reconheça a existência do país. Ou então que se retire.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.
Comentários