JLL vende Palácio na Lapa

A JLL acaba de vender o Palácio de São Domingos, na Lapa, a um investidor de origem chinesa que irá agora reabilitar o imóvel. Nesta operação a JLL atuou em representação da entidade vendedora. Localizado numa das zonas habitacionais mais nobres da capital portuguesa e um dos destinos preferidos para a instalação de Embaixadas estrangeiras, […]

A JLL acaba de vender o Palácio de São Domingos, na Lapa, a um investidor de origem chinesa que irá agora reabilitar o imóvel. Nesta operação a JLL atuou em representação da entidade vendedora.

Localizado numa das zonas habitacionais mais nobres da capital portuguesa e um dos destinos preferidos para a instalação de Embaixadas estrangeiras, o Palácio de São Domingos apresenta uma área total de construção acima do solo de 1.000 metros quadrados e é circundado por 835 metros quadrados de jardins e áreas verdes, destinando-se a uso residencial e/ou de serviços. Beneficia de vista sobre o Tejo e inclui, entre outras valências, parqueamento para dez automóveis e um auditório.

Joana Mosa, responsável pelo China desk da JLL comenta: “À medida que a confiança dos investidores no nosso país continua a crescer, observamos um interesse cada vez maior pela compra de edifícios de uso habitacional na cidade de Lisboa para efeitos de reabilitação, num movimento claramente liderado pelos investidores de origem asiática. Pela sua versatilidade e localização de excelência, o Palácio de São Domingos é um imóvel que preenche os mais exigentes requisitos procurados pelos investidores chineses, ou seja, imóveis de elevada qualidade e com capacidade para gerar um bom retorno”.

A JLL está cada vez mais ativa na reabilitação urbana, um segmento de mercado que tem merecido uma crescente atenção em termos das atividades de promoção e investimento imobiliário nos últimos dois anos. Além da venda de imóveis para reabilitar a investidores e promotores, a consultora atua neste mercado em todas as fases de desenvolvimento dos projetos de reabilitação, incluindo a gestão de projeto (P&DS) e posterior comercialização ao público, nomeadamente o internacional.

OJE

Recomendadas

“Nova atitude da TAP perante os gastos terá de abranger também os pilotos”, desafia SPAC

“À mulher de César não lhe basta ser séria, tem que parecer séria”. É com esta frase que o Sindicato dos Pilotos de Aviação Civil (SPAC) concluiu um comunicado em que critica a gestão da TAP – entregue atualmente à francesa Christine Ourmiere-Widener – por ter renovada a frota automóvel da administração com mais de 50 […]

TAP diz que renovação da frota automóvel permite poupar anualmente 630 mil euros

A TAP diz que a opção de comprar 50 BMWs representa uma poupança superior a 20% do valor mensal da renda e tributação, relativamente a novos contratos de renting e está em linha com o plano de reestruturação.

Sindicato diz que renovação da frota automóvel da TAP é ética e moralmente condenável

Num comunicado aos associados que a Lusa teve acesso, o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) assinala que “foi com enorme estupefação e uma boa dose de vergonha alheia que os sindicatos, os trabalhadores do grupo TAP e os contribuintes portugueses foram confrontados com uma notícia que pode até ter uma rebuscada justificação económica, mas que é ética e moralmente condenável”.