João Leão entre os potenciais candidatos para liderar Mecanismo Europeu

O alemão Klaus Regling é quem ocupa atualmente o cargo, mas vai sair este ano.

O antigo ministro das Finanças encontra-se entre os potenciais candidatos para liderar o Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), revela hoje o “Financial Times”.

O alemão Klaus Regling é quem ocupa atualmente o cargo, tendo sido o primeiro presidente executivo do MEE.

“João Leão, que até recentemente serviu como ministro das Finanças de Portugal e agora é professor no ISCTE-IUL, é também visto como um candidato potencial”, segundo o jornal britânico.

Os ministros das Finanças querem decidir o assunto durante o mês de maio. As candidaturas ao fundo sediado no Luxemburgo deverão começar a ser lançadas no início da próxima semana.

O antigo ministro das Finanças do Luxemburgo, Pierre Gramegna, é um dos potenciais candidatos. Também o italiano Marco Buti, chefe de gabinete do comissário europeu Paolo Gentiloni é visto como um candidato. Da Holanda, o nome em cima da mesa é Menno Snel, um antigo secretário de Estado das Finanças.

Depois de sair do Governo, João Leão voltou a dar aulas no ISCTE-IUL, o seu lugar de origem. Entretanto, foi nomeado vice-reitor da instituição, mas surgiu uma polémica depois de ter sido revelado que autorizou o ISCTE a receber mais de cinco milhões para a construção de um novo centro desta universidade. João Leão e a reitora Maria de Lurdes Rodrigues vão ser ouvidos no Parlamento por causa desta polémica.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Fórum Seguros: “Dinheiro gerado deve ser investido em fundos que contribuem para a neutralidade carbónica”

Sofia Santos sublinhou o papel que as seguradoras têm, tendo em conta os riscos de transição, para ajudar os seus clientes a incorporar os riscos climáticos através dos produtos apresentados.

Preços na produção industrial aumentaram mais de 24%

Segundo o INE, o resultado deveu-se à “evolução dos preços da Energia e dos Bens Intermédios”.
Comentários