João Massano recandidata-se à liderança do CRL da Ordem dos Advogados

O programa da candidatura de João Massano, designada “Juntos Podemos Mais”, está assente em quatro pilares: dignificar a profissão, melhorar as condições de exercício da advocacia, aproximar a advocacia da sociedade civil e contribuir para uma justiça mais acessível.

Cristina Bernardo

O advogado João Massano, atual presidente do Conselho Regional de Lisboa (CRL) da Ordem dos Advogados (OA), formalizou esta terça-feira o objetivo de se recandidatar à liderança do maior conselho regional do país.

As linhas-gerais do programa da candidatura de João Massano – designada “Juntos Podemos Mais” e assente em quatro pilares (dignificar a profissão, melhorar as condições de exercício da advocacia, aproximar a advocacia da sociedade civil e contribuir para uma justiça mais acessível) – foram apresentadas esta terça-feira, numa sessão pública na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Os mandatários são os advogados José António Barreiros e Luís Laureano Santos.

Entre as bandeiras estão: modernização do exercício da profissão, colaborando na construção de um modelo de representação que dignifique a profissão e combatendo alterações legislativas que alterem negativamente o seu exercício; combate à procuradoria ilícita, continuando a denunciar e combater os casos que contribuem para desvirtuar a imagem do advogado e sensibilizar as autoridades e a opinião pública para os perigos da falsa representação jurídica; exigência de uma remuneração justa dos serviços prestados pelos advogados inscritos no sistema de acesso ao direito e construção de uma proteção social com futuro para os advogados promovendo a concretização da decisão tomada em referendo.

Quanto ao cargo de bastonário, são seis os advogados que formalizaram a intenção de chegarem a esse título. O penúltimo a anunciar publicamente a candidatura foi Paulo Valério, sócio da Valério, Figueiredo & Associados, que tem cinco eixos de atuação: a criação da figura de defensor público para os mais desfavorecidos, uma previdência justa e solidária, implementação de remuneração obrigatória dos advogados estagiários, proteção laboral dos advogados associados e transição digital na advocacia.

“Cumpro dez anos de agregação no próximo dia 25 de setembro, simbolicamente a tempo de me candidatar a bastonário da Ordem dos Advogados. E assim farei. Não venho para engrossar o desfile de discursos cinzentos que marca, anualmente, a abertura do ano judicial. E também não me candidato para impor insígnias numa longa carreira. A advocacia debate-se com importantes desafios e eu sei que tenho hoje a vontade e a energia para os cumprir que não sei se terei daqui a 20 anos”, explicou, na rede social LinkedIn.

Além de Paulo Valério, mais quatro personalidades do sector demonstraram que querem ir a eleições em novembro deste ano: o atual bastonário, Luís Menezes Leitão, António Jaime Martins, ex-presidente do CRL, Fernanda de Almeida Pinheiro, Paulo Pimenta e Rui Silva Leal.

Notícia atualizada a 22-06-2022

Recomendadas

A nova geração do Direito, das escolas aos escritórios de advogados. Veja a JE Talks

Iniciativa pretende analisar os diferentes tipos de especialização existente no Direito e perceber qual a sua importância para o mercado de trabalho. Esta JE Talks está inserida no caderno especial dedicado ao mesmo tema que acompanhará a edição impressa do JE desta sexta-feira, 24 de junho.

“Falar Direito”. “Teletrabalho já devia ter sido disponibilizado há mais tempo na comunidade jurídica”

“O teletrabalho trouxe a toda a gente, e também aos advogados, uma flexibilidade que beneficiou muito os trabalhadores. Possibilidade do teletrabalho já devia ter sido disponibilizada há mais tempo na comunidade jurídica”, esclareceu a advogada Rita Rendeiro, presidente da associação Direito Mental.

Ordem apresentou queixa contra advogado suspeito de falsificar certificados académicos

O Conselho Regional do Porto (CRP) da Ordem dos Advogados (OA) revelou hoje que já avançou com uma participação criminal contra o advogado Luís Rufo, por alegada falsificação dos certificados académicos que lhe teriam permitido obter a licenciatura em Direito.
Comentários