João Pedro Borges: “Aumento da fiscalidade tem estimulado empresas a procurar novos benefícios para colaboradores”

De uma forma geral, o recuo do papel do Estado na economia e na sociedade cria oportunidades para os agentes económicos privados, e isso também é verdade para as companhias de seguros. Uma das áreas mais relevantes é a dos cuidados de saúde, onde é notório que as restrições orçamentais, que afetam o Serviço Nacional […]

De uma forma geral, o recuo do papel do Estado na economia e na sociedade cria oportunidades para os agentes económicos privados, e isso também é verdade para as companhias de seguros. Uma das áreas mais relevantes é a dos cuidados de saúde, onde é notório que as restrições orçamentais, que afetam o Serviço Nacional de Saúde e o aumento das taxas moderadoras, têm provocado uma maior procura dos seguros de saúde, por parte das famílias. Nos ramos Não Vida, o ramo doença é praticamente o único que tem crescido consistentemente nos últimos anos. Adicionalmente, o forte aumento da fiscalidade tem estimulado as empresas a procurar novas formas de atribuir benefícios aos seus colaboradores, incluindo a oferta de seguros de saúde que também cobrem os seus familiares, para além de seguros de acidentes pessoais e de seguros de vida. Em paralelo, a perspetiva de redução contínua das reformas da segurança social tem também estimulado as famílias a subscreverem soluções de poupança privada, para o que estão particularmente adaptados os planos de poupança reforma e outros seguros de capitalização.

 

João Pedro Borges / CA Seguros

Recomendadas

Irão: Impacto das sanções dos EUA prejudica cooperação com Portugal

Mortza Damanpak Jami destaca que as relações comerciais podem sair afetadas, mas as culturais têm-se desenvolvido, com “muitas oportunidades e muitos programas ligados à cultura”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.