João Proença diz que existiram “atrasos brutais” no envio de documentos para a ADSE

O presidente do conselho geral da ADSE admitiu ainda que existe diferenças de tratamento entre a Madeira e os Açores, e que o organismo que lidera tem procurado regularizar as dívidas que chegam aos 180 milhões de euros.

O presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE, João Proença, diz que existiu um atraso brutal no envio de documentos para ADSE, de quatro meses, da Madeira, que “estavam em caixotes”, a que se junta mais quatro meses, do Governo da República, na aprovação de um diploma, rejeitando qualquer responsabilidade da ADSE no atraso de pagamentos.

João Proença admitiu uma diferença de tratamento entre os Açores e a Madeira, referindo ainda que existe uma dívida de 180 milhões de euros, onde se inclui os Açores e Madeira, e que o conselho geral tem procurado regulariza-las.

“Temos insistido junto do conselho directivo da ADSE sobre esta questão mas sem grande sucesso”, disse João Proença.

O presidente do Conselho Geral da ADSE disse ainda que existia uma dívida a rondar os 29 milhões de euros, em 2015, referentes à Madeira.

 

Relacionadas

Tensão com a ADSE. Hospitais privados exigem regras e procedimentos dentro da lei

Associação Portuguesa de Hospitalização Privada exige pagamentos a 60 dias e uma outra tabela de preços, ao mesmo tempo que garante não conseguir colocar em prática já em outubro as novas regras de faturação impostas pela ADSE.

ADSE diz ser preocupante evolução do saldo do subsistema de saúde para 2019

“Este orçamento torna ainda mais prioritárias medidas relativas ao controlo e contenção da despesa, combate à fraude, publicação de novas tabelas, alargamento, reforço dos recursos humanos e materiais e outras medidas que veem sendo debatidas nos órgãos da ADSE”
Recomendadas

Madeira: Proteção Civil promove campanha “natal em segurança”

A Proteção Civil vai emitir, todas as sextas-feiras de dezembro, um vídeo promocional com a transmissão de recomendações preventivas de segurança alusivas às diversas atividades típicas desta época natalícia.

Presidente da Câmara do Funchal diz que Portugal está no caminho errado com nível de fiscalidade elevado

O autarca referiu que a alta fiscalidade tem levado o país a perder competitividade, salientando que a prova disso é que Portugal está cada vez mais na cauda da Europa.

Presidente da Câmara do Funchal defende regime de baixa fiscalidade para empresas e famílias

O autarca referiu que o município está a esgotar as soluções que permitem ao Funchal reduzir a carga fiscal ao mínimo.
Comentários