João Rendeiro fica em prisão preventiva na África do Sul até 10 de janeiro

Juiz recusou o pedido de libertação sob a fiança de 2.190 euros considerando-a “insuficiente”.

Miguel Fonseca / Lusa

João Rendeiro vai ficar em prisão preventiva na África do Sul pelo menos até ao dia 10 de janeiro. A decisão foi tomada esta sexta-feira, 17 de dezembro, pelo juiz do tribunal de Verulam.

O juiz recusou o pedido de libertação sob a fiança de 2.190 euros considerando-a “insuficiente”, salientando que João Rendeiro alegou que não teria um julgamento justo em Portugal e que o ex-banqueiro “merece um julgamento justo”.

O juiz referiu ainda que a mulher de João Rendeiro continua em Portugal e que o ex-banqueiro não tem ligações na África do Sul, recusando que o país “seja um refúgio para criminosos”.

“Se João Rendeiro não respeitou a justiça em Portugal, porque vai respeitar na África do Sul”, sublinhou o juiz.

O ex-banqueiro, atualmente detido na África do Sul desde o último sábado, admitiu que não tinha intenção de voltar a Portugal, onde lhe aguarda uma pena de prisão efetiva de cinco anos e oito meses.

O juiz realçou ainda que até ao momento a África do Sul ainda não recebeu qualquer documentação por parte de Portugal para dar início ao processo de extradição de João Rendeiro, algo que tem de ser entregue até 40 dias após a sua detenção.

Relacionadas

João Rendeiro propõe fiança de 2.190 euros para sair em liberdade (com áudio)

A informação foi divulgada pelo advogado Sean Kelly que defende o pedido de libertação do ex-banqueiro sob caução.

Rendeiro. Justiça portuguesa garante que vai entregar pedido de extradição a tempo, apesar da falta de tradutores (com áudio)

“Pese embora o limitado quadro de tradutores ao serviço da Procuradoria-Geral da República, essa circunstância não constituirá impedimento a que seja realizada a respetiva tradução”, esclarece o Ministério Público.

BPP: Rendeiro diz que não está a desafiar a justiça portuguesa

O antigo banqueiro João Rendeiro disse hoje que não está a desafiar a justiça portuguesa ao dizer que não vai voltar para Portugal.
Recomendadas

Ex-presidente da Câmara de Terras de Bouro condenado por prevaricação

O Tribunal de Braga condenou hoje a três anos de prisão, com pena suspensa, o ex-presidente da Câmara de Terras de Bouro Joaquim Cracel por ter aprovado o licenciamento de uma moradia ielgal em terreno de Reserva Agrícola Nacional (RAN).

Vamos aguardar investigação na Defesa “serenamente, sem formular juízos prévios”, diz Marcelo Rebelo de Sousa

O chefe de Estado falava aos jornalistas no Bairro do Zambujal, na Amadora, distrito de Lisboa, interrogado sobre a operação da Polícia Judiciária que levou à detenção de cinco de um total de 19 arguidos por suspeitas de corrupção e outros crimes no exercício de funções públicas.

MAI nega infiltração da extrema-direita nas esquadras da polícia

O ministro da Administração Interna negou hoje que haja “uma infiltração com caráter intencional” de elementos da extrema-direita nas esquadras da polícia em Portugal, como acontece em outros países.
Comentários