João Rendeiro já chegou ao tribunal. Vai hoje ser ouvido após detenção na África do Sul (com áudio)

Depois de ter sido detido num hotel de cinco estrelas na madrugada de sábado, 11 de dezembro, João Rendeiro passou o fim de semana na esquadra da polícia de North Durban, a cinco quilómetros do hotel onde se encontrava.

Lusa

O ex-presidente do Banco Privado Português (BPP) já chegou ao tribunal em Durban. João Rendeiro vai ser ouvido esta segunda-feira por um juiz do tribunal Verulam Magistrates, avança a “CNN Portugal”.

Rendeiro chegou ao tribunal da cidade costeira às 8h30 da hora local (6h30 em Portugal). A audiência está marcada para as 11 horas (9 horas em Portugal).

Depois de ter sido detido num hotel de cinco estrelas na madrugada de sábado, 11 de dezembro, João Rendeiro passou o fim de semana na esquadra da polícia de North Durban, a cinco quilómetros do hotel onde se encontrava.

Nesta audição, o ex-banqueiro terá a autorização para falar em sua defensa ou, então, manter-se em silêncio. Também o Ministério Público de África do Sul vai ouvir o ex-banqueiro português.

De relembrar que João Rendeiro encontrava-se foragido da justiça portuguesa há três meses. As autoridades nacionais, nomeadamente a Polícia Judiciária, que acompanhou a detenção em direto, reclamam a extradição de Rendeiro para Portugal, onde deverá cumprir uma pena de cinco anos e oito meses.

Relacionadas

Detenção de João Rendeiro foi “prenda de Natal da Polícia Judiciária ao país”, diz Marques Mendes

No seu habitual espaço de comentário da atualidade Marques Mendes defendeu que só o ex-banqueiro no seu lado de “cinismo e arrogância” acreditava que ia ficar “indefinidamente a fugir às autoridades”.

“Não há ninguém acima da lei”, diz Marcelo sobre detenção de João Rendeiro (com áudio)

O Presidente da República considera que a detenção do ex-banqueiro foi um momento importante para a justiça portuguesa e para a confiança dos portugueses nas instituições que mandam.

Rendeiro investiu em imobiliário para obter visto de residência na África do Sul – Público

Ex-banqueiro fugiu para o país africano ainda antes de ter cadastro, ou seja antes de serem emitidos os mandados de detenção. Investimento na África do Sul garantiu-lhe uma espécie de visto Gold.

Partidos políticos satisfeitos com detenção de João Rendeiro após três meses de fuga

Iniciativa Liberal, Chega, Bloco de Esquerda e PCP foram os partidos políticos que já se manifestaram após a detenção de João Rendeiro em África do Sul.

Da fuga em setembro à detenção em África do Sul. Nove perguntas e respostas sobre o processo Rendeiro

João Rendeiro admitiu fuga a 28 de setembro e foi detido, a dormir, em África do Sul este sábado, 11 de dezembro.

Extradição de Rendeiro pode ficar concluída num prazo máximo de oito meses

Caso João Rendeiro se oponha à extradição para Portugal, o processo passa para a segunda instância, cuja decisão não reconhece recurso.

Se for extraditado para Portugal Rendeiro é preso para cumprir pena de cinco anos e oito meses

João Rendeiro está condenado em três processos judiciais relacionados com o colapso do BPP. Processos que foram investigados pela Polícia Judiciária através da Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC). Mas até agora apenas um deles transitou em julgado.

João Rendeiro tinha hotéis de cinco estrelas em Joanesburgo como “local habitual de refúgio”

Ex-banqueiro terá sido detido na cidade de Durban, embora o diretor nacional da Polícia Judiciária não tenha revelado o local. Luís Neves garantiu, ainda assim, que o fundador do Banco Privado Português “tinha muitos cuidados e não circulava livremente”.

Luís Neves: “A Polícia Judiciária não lava a face a ninguém”

“Nós também cometemos por vezes os nossos lapsos”, disse o diretor nacional da Polícia Judiciária, que minutos admitira que a fuga de João Rendeiro teve impacto negativo na imagem de Portugal.
Recomendadas

Saídas de capital do Credit Suisse quase estancadas e já se nota regresso de depositantes de elevado património

O banco deverá ter perdido cerca de 10% dos fundos depositados na operação de gestão de ativos, devido a desconfianças dos clientes relativamente à solvabilidade da instituição.

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.
Comentários