João Rendeiro “matou-se”, revela advogada (com áudio)

A revelação foi feita hoje pela advogada do antigo banqueiro.

Precisa de ajuda? Contacte o Serviço de Saúde Mental do Hospital da sua região – Adultos, Infância e Adolescência. A linha SNS24 (808 242424 e www.sns24.gov.pt) e o 112 também estão disponíveis.

Entre em contacto através das Linhas de Crise e da Linha de Aconselhamento Psicológico. Para mais informações, consulte o Plano Nacional de Prevenção do Suicídio.

A advogada de João Rendeiro revelou que o antigo banqueiro cometeu suicídio na prisão de Westville no leste da África do Sul.

“Não sei o que aconteceu. Ele matou-se”, disse June Marks à “RTP”. “Não consigo fazer mais comentários neste momento”.

Já ao “Correio da Manhã” a advogada relatou que o ex-banqueiro estava com um “comportamento errático nos últimos dias”.

No entanto, no último encontro com Rendeiro este mostrou-se “animado” e confiante que não seria extraditado para Portugal, uma decisão que seria tomada pelo tribunal em junho.

A advogada de João Rendeiro na África do Sul, June Marks, comunicou às autoridades do país esta semana que ia deixar de o representar.

“Algures durante o curso desta semana, o Estado foi notificado pela sua representante legal que iria retirar os seus serviços. O Estado então requereu a Rendeiro para aparecer hoje no tribunal de Verulam para que os assuntos legais [sobre a sua representação] pudessem ser tratados antes da conferência pré-julgamento na próxima semana”, segundo um comunicado do Ministério Público do país (NPA), citado pela “SIC Notícias”.

“Antes da audiência de hoje, o Estado foi informado que Rendeiro tinha falecido. O NPA aguarda confirmação disto. O magistrado adiou a audiência para 20 de maio para o tribunal confirmar a morte de rendeiro e para tomar decisões”, acrescenta.

Detido em 11 de dezembro na cidade de Durban, após quase três meses fugido à justiça portuguesa, João Rendeiro foi, então, presente ao juiz Rajesh Parshotam, do tribunal de Verulam, que lhe decretou no dia 17 de dezembro a medida de coação mais gravosa, colocando-o em prisão preventiva no estabelecimento prisional de Westville.

O ex-banqueiro foi condenado em três processos distintos relacionados com o colapso do BPP, tendo o tribunal dado como provado que retirou do banco 13,61 milhões de euros. Das três condenações, apenas uma já transitou em julgado e não admite mais recursos, com João Rendeiro a ter de cumprir uma pena de prisão efetiva de cinco anos e oito meses.

João Rendeiro foi ainda condenado a 10 anos de prisão num segundo processo e a mais três anos e seis meses num terceiro processo, sendo que estas duas sentenças ainda não transitaram em julgado.

O colapso do BPP, em 2010, lesou milhares de clientes e causou perdas de centenas de milhões de euros ao Estado.

Relacionadas

Advogada de Rendeiro comunicou que ia deixar de o representar

June Marks anunciou este semana que ia deixar de representar o ex-banqueiro.

Advogada de Rendeiro vai identificar o corpo e iniciar procedimentos de trasladação

A advogada de João Rendeiro revelou que foi chamada esta sexta-feira para identificar o corpo do ex-presidente do BPP, encontrado morto na prisão de Westville, em Durban, e que vai iniciar os procedimentos da trasladação para Portugal.

João Rendeiro encontrado morto na prisão (com áudio)

O antigo banqueiro estava em prisão preventiva há seis meses na África do Sul.
Recomendadas

Santander Totta com aumento de capital de 135 milhões totalmente realizado

O Banco liderado por Pedro Castro e Almeida concluiu o aumento de capital que tinha sido aprovado a 4 de maio.

Bancos globalmente sistémicos com melhor performance dos resultados no primeiro trimestre

O Goldman Sachs fez uma análise aos resultados dos bancos no primeiro trimestre comparando, por um lado, os globalmente sistémicos dos outros e, por outro, os bancos da zona euro e de fora do euro. Em termos de rentabilidade o ROTE caiu 1,4 pp nos G-SIBs e subiu 0,5 pp nos outros bancos. Sendo nos G-SIBs em média de 7,7% e nos bancos não sistémicos, em média, de 10,3%.

Crédito Agrícola com lucros a caírem 51% para 37,5 milhões no primeiro trimestre

Esta redução de 50,7%, segundo o grupo, “é influenciada pelos resultados, não recorrentes, obtidos no 1º trimestre de 2021, relacionados com “ganhos líquidos com operações financeiras e com juros retroactivos, referentes a 2020, recebidos no âmbito do programa de financiamento do BCE – TLTRO III”. O ROE do Grupo CA fixou-se em 7,1% em março.
Comentários