João Rendeiro, o Great Gatsby da banca

A história de João de Oliveira Rendeiro mistura-se com a era do enriquecimento fácil do pós-adesão à Comunidade Económica Europeia (CEE). O antigo banqueiro foi encontrado morto esta sexta-feira na sua cela da cadeia onde estava detido, na África do Sul.

O Jornal Económico publicou o perfil de João Rendeiro em dezembro de 2021, aquando da sua detenção na África do Sul e recupera-o hoje no dia da morte do antigo banqueiro.

Detido numa prisão de Durban, na África do Sul, desde dezembro de 2021, onde aguardava uma decisão sobre o processo de extradição para Portugal, o antigo presidente do BPP, João Rendeiro foi hoje encontrado enforcado na cadeia onde estava detido, disse à Lusa a advogada do ex-banqueiro.

June Marks acrescentou ainda que as autoridades estão a investigar as circunstâncias do que aconteceu. O antigo presidente do BPP encontrava-se numa cela de 80 metros quadrados com 50 reclusos.

O ex-banqueiro tinha sido condenado em três processos distintos relacionados com o colapso do Banco Privado Português (BPP), tendo o tribunal dado como provado que retirou do banco 13,61 milhões de euros. Das três condenações, apenas uma já tinha transitado em julgado.

Em setembro do ano passado, Rendeiro tinha sido condenado a três anos e seis meses de prisão efetiva, num processo por burla qualificada, e esteve fugido à justiça até ser apanhado em dezembro na África do Sul. Em declarações à Lusa, June Marks explicou que tomou “há um mês” a decisão de deixar a defesa de João Rendeiro devido a razões financeiras.

“Ele não tinha fundos e o Estado deveria nomear um advogado oficioso para assistência jurídica”, referiu, confirmando ter informado as autoridades sul-africanas desta situação: “Ele insistiu para eu continuar, mas não tinha fundos para pagar”.

Questionada se João Rendeiro tinha justificado a sua falta de meios financeiros com o arresto dos bens devido aos processos judiciais que enfrentava em Portugal, June Marks confirmou que esse foi, efetivamente, o argumento usado pelo antigo presidente do BPP.

A sessão preparatória do julgamento do processo de extradição para Portugal iria ter lugar dentro de uma semana e as sessões do julgamento iriam decorrer entre 13 e 30 de junho.

A história de João de Oliveira Rendeiro mistura-se com a era do enriquecimento fácil do pós-adesão à Comunidade Económica Europeia (CEE). Rendeiro passou de estrela cadente dos fundos de investimento, no fim dos anos 80, a banqueiro de fortunas em meados dos anos 90. Conviveu com os então “novos banqueiros” do BCP e BPI e com os “velhos” banqueiros da aristocracia financeira – recém regressados do exílio – Espírito Santo e Champalimaud.

É impossível não comparar João Rendeiro à personagem de F. Scott Fitzgerald, Great Gatsby, que para ser amado por quem tinha sido rejeitado (neste caso uma mulher) se torna num bilionário que era aceite socialmente porque dava festas sumptuosas na sua mansão em Long Island. A fortuna de Gatsby é motivo de rumores e de troça, mas ninguém resistia às suas festas. O romance é uma sátira à superficialidade e futilidade da sociedade norte-americana, que viveu um nível sem precedentes de prosperidade na década de 1920.

João Rendeiro, tal como Gatsby, tinha na revolta o motor da sua ascensão, queria ser reconhecido como banqueiro, lugar que a sociedade parecia reservar apenas a Jorge Jardim Gonçalves, Artur Santos Silva, Fernando Ulrich, Ricardo Salgado e António Champalimaud.

Tal como Gatsby, a ascensão meteórica de Rendeiro acabou mal. A vaidade teve um papel no desfecho.

Descreve no seu livro “Em defesa da honra” o seu percurso e fala do “racismo social” de que foi vítima. Tal como a personagem de Fitzgerald, essa experiência criou-lhe fortes sentimentos de injustiça que o acompanharam ao longo da vida. E são esses sentimentos que estão muitas vezes na origem das decisões humanas.

A frieza, a inteligência rara, a destreza e a arrogância intelectual são traços da personalidade que é difícil não reconhecer em Rendeiro. Um autêntico génio gelado, como é descrito por quem o conhece.

João Rendeiro não dava festas sumptuosas como Gatsby, mas criou a Ellipse Foundation, que era detida por si e pelo Banco Privado, entrando assim no clube dos banqueiros colecionadores de arte a que pertenceram os Medici, os Rockfeller e os Espírito Santo.

Deve, em parte, o seu desaire a uma tentativa de se tornar acionista de referência do maior banco privado português, o BCP, aproveitando a guerra de poder de 2007. Através da Privado Financeiras chegou a ter 3% do BCP, investindo, como sempre, o dinheiro do BPP, dos clientes e alavancando o investimento com dívida. O ex-presidente do BPP diz no livro, lançado o ano passado, que se arrependeu de não vender as ações do BCP. “Fomos comprando ações do BCP numa conta escrow, por conta de clientes, no quadro do BPP e financiado pelo banco”, chegou a explicar numa entrevista ao Jornal Económico, em abril do ano passado.

Cresceu em Campo de Ourique, estudou nos Salesianos e nos liceus Pedro Nunes e D. João de Castro, licenciou-se em Economia no ISEG e doutorou-se em Economia na Universidade de Sussex (Reino Unido).

A vida financeira de João Rendeiro começou nos idos anos 80, com a gestora de fundos de investimento Gestifundo, que foi criada em 1986, em pleno boom da Bolsa de Valores de Lisboa, quando as pessoas se acotovelavam para comprar ações, e antes do crash na bolsa de Nova Iorque em 1987.

A 1 de janeiro desse ano (1986), Portugal entrava na, então, CEE. A Constituição Portuguesa ainda não permitia as reprivatizações, mas já estava aberta à iniciativa privada, o que fez com que nascessem os bancos BCP e BPI e que alguns bancos estrangeiros criassem sucursais em Portugal. A bolsa estava na moda. Era uma época de Ofertas Públicas de Venda (IPO) e os bancos emprestavam dinheiro quase sem garantias, o que explica o excesso de liquidez que era canalizado para o mercado de capitais.

É nesta Lisboa contagiada pela euforia da bolsa, pelo fascínio de Wall Street e dos yuppies, que João Rendeiro salta para a ribalta. Foi a venda da sua gestora de fundos ao Banco Totta que o tornou milionário aos 30 anos. Rendeiro tinha investido 25 mil euros na Gestifundo e vendeu-a por 15 milhões. O Totta era então presidido por José Roquette, antes da chegada de António Champalimaud (que comprou o banco em 1995). Ao seu lado já estava a mulher Maria de Jesus Rendeiro. Estiveram juntos desde os 17 anos e eram casados há 49 anos. Não tiveram filhos.

Depois de vender a Gestifundo ficou no Totta & Açores por cinco anos. Ainda antes de fundar o BPP, cria uma marca de água gaseificada, a Frize, que acabou por vender à Compal. Mas a banca sempre foi a sua paixão e a oportunidade surgiu com a compra da Incofina ao BCP.

O Banco Privado Português, criado por Rendeiro em 1996, tinha como acionistas Francisco Pinto Balsemão, Stefano Saviotti, a família Vaz Guedes (dona da Somague), a família Serrenho (dona da CIN) e a FLAD, entre outros. Era um banco vocacionado para a gestão de fortunas e tinha três mil clientes com um património médio de um milhão de euros. Este banco, que o tornou aceite pela elite portuguesa endinheirada, acabou por ser a sua maldição, quando, após a crise do Lehman Brothers, o BPP entra em colapso em dezembro de 2008. A falência viria a ser decretada em 2010.

João Rendeiro foi condenado em três processos judiciais relacionados com o colapso do BPP por 16 crimes. A sua fuga, a 14 de setembro e a sua aparatosa detenção na manhã de 11 de dezembro, na África do Sul, tornou-o ironicamente mais célebre que o banqueiro, também acusado, Ricardo Salgado.

Relacionadas

Morte de Rendeiro extingue responsabilidade criminal, mas não civil

Os efeitos criminais dos processos que envolviam João Rendeiro, transitados ou não em julgado, extinguem-se com a morte, mas, do ponto de vista civil, herdeiros que recebam partes da herança serão responsáveis até ao limite do que receberem.

Rendeiro: falta de dinheiro na origem do fim da ligação com a advogada

A advogada do antigo presidente do BPP, que foi hoje encontrado morto na prisão de Westville, explicou que ia deixar de representar João Rendeiro no julgamento do processo de extradição devido à falta de dinheiro do ex-banqueiro.

Lesados do BPP dizem que morte de Rendeiro não interfere com processos na justiça

Entre os vários processos na justiça, a associação exige a destituição da Comissão Liquidatária que “arrasta o processo há mais de dez anos, sem dar justificações e com gastos milionários”.
Recomendadas
Nuno Melo

Nuno Melo vai pedir intervenção de Bruxelas e do BCE para as “falhas” do Banco de Fomento

Nuno Melo denuncia que o banco ainda não apresentou contas de 2020. A Comissão Europeia tem competência para acompanhar os fundos cuja gestão será cometida ao BPF e o BCE para verificar porque não há ainda um presidente do Conselho de Administração.

Governo põe fim ao protocolo com coleção Berardo e anuncia novo museu no CCB para 2023

A informação foi dada pelo ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva. O protocolo está em vigor desde 2006 entre o Estado, a fundação do Centro Cultural de Belém, Joe Berardo e a associação Coleção Berardo.

BCP escolhido como melhor banco português para finanças sustentáveis

“Ainda há muito a fazer nesta área [da sustentabilidade], mas este é – certamente – um excelente incentivo”, diz o CEO do BCP, Miguel Maya.
Comentários