João Rendeiro partilha cela com prisioneiros de nacionalidade moçambicana

As autoridades estão atentas ao português, depois de se ter queixado de ameaças por parte de outros reclusos que estariam a exigir-lhe dinheiro, segundo a “CNN Portugal”.

Miguel Fonseca / Lusa

João Rendeiro partilha a sua cela com prisioneiros de nacionalidade moçambicana, revela hoje a “CNN Portugal”.

O antigo banqueiro está detido na prisão de Westville na cidade sul-africana de Durban, no leste do país. Os cidadãos moçambicanos foram condenados por crimes de delito comum.

O ex-presidente do Banco Privado Português (BPP) vai estar preso, pelo menos, até 10 de janeiro de forma preventiva. A partir desta data vai ter início o processo de extradição.

Segundo a “CNN”, as autoridades estão atentas ao português, depois de se ter queixado de ameaças por parte de outros reclusos que estariam a exigir-lhe dinheiro. Rendeiro passa a maior parte do tempo na sua cela, tem direito a uma refeição completa por dia, e tem falado regularmente com a advogada.

Relacionadas

João Rendeiro fica em prisão preventiva na África do Sul até 10 de janeiro

Juiz recusou o pedido de libertação sob a fiança de 2.190 euros considerando-a “insuficiente”.

João Rendeiro propõe fiança de 2.190 euros para sair em liberdade (com áudio)

A informação foi divulgada pelo advogado Sean Kelly que defende o pedido de libertação do ex-banqueiro sob caução.

Rendeiro. Justiça portuguesa garante que vai entregar pedido de extradição a tempo, apesar da falta de tradutores (com áudio)

“Pese embora o limitado quadro de tradutores ao serviço da Procuradoria-Geral da República, essa circunstância não constituirá impedimento a que seja realizada a respetiva tradução”, esclarece o Ministério Público.

BPP: Rendeiro diz que não está a desafiar a justiça portuguesa

O antigo banqueiro João Rendeiro disse hoje que não está a desafiar a justiça portuguesa ao dizer que não vai voltar para Portugal.
Recomendadas

Bancos têm de cumprir reserva de fundos próprios de 0,25% a 1% em 2023

O BCP tem de ter uma reserva de 1%, tal como a CGD. O Santander e BPI têm de ter no seu rácio uma reserva de 0,5% e ao Banco Montepio é exigida uma reserva de 0,25%, tal como à Caixa de Crédito Agrícola. Sendo que todos têm de cumprir este ‘buffer’ a partir do dia 1 de janeiro de 2023, excepto o Crédito Agrícola.

Respostas Rápidas: Qual o universo de créditos à habitação abrangidos pelo diploma do Governo?

O Ministério das Finanças publicou um conjunto de perguntas e respostas que procura responder de forma simples a dúvidas sobre o diploma que mitiga os custos com o crédito à habitação. Nele traça um universo potencial de aplicabilidade da medida. Há cerca de 2,1 milhões de devedores com empréstimo à habitação, dos quais 90% têm contratos com taxa de juro variável. 

“Falar Direito”. Renegociação de créditos? Eficácia vai depender do universo que temos pela frente”

Qual será o grau de eficácia do diploma que visa, essencialmente, regular o procedimento de renegociação entre as instituições de crédito e os respetivos clientes? Saiba a resposta do advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, no programa da plataforma multimédia JE TV.
Comentários