João Rendeiro pode ser libertado por falta de tradutores em Portugal. Advogada vai alegar detenção ilegal (com áudio)

Ex-banqueiro vai ser ouvido num local alternativo por falta de eletricidade no tribunal. “Público” revela que falta de tradutores está a dificultar o envio do pedido de extradição para a África do Sul. Rendeiro tem de ser libertado ao fim de 40 dias.

Miguel Fonseca / Lusa

O ex-banqueiro em fuga da justiça portuguesa vai ser hoje ouvido numa instalação alternativa do tribunal de Verulam, cidade localizada a cerca de 30 quilómetros de Durban, no leste da África do Sul.

João Rendeiro deveria ser ouvido no edifício principal do tribunal desta cidade às 7h00 de Portugal, mas a sessão neste local foi cancelada devido à falta de eletricidade, revela a “CNN Portugal”. Outra alternativa seria a esquadra de Verulam, mas este local não tinha condições para a audição.

Nas deslocações entre as instalações, Rendeiro disse que não estava a desafiar as autoridades portuguesas, depois de ontem ter dito que não iria regressar a Portugal, segundo a “CNN Portugal”.

O “Público” revela hoje que João Rendeiro pode ser libertado por o Ministério Público português não conseguir apresentar o pedido formal de extradição dentro do limite máximo de 40 dias. As autoridades portuguesas estão a ter dificuldades na tradução das várias decisões judiciais dos três processos em que o ex-presidente do BPP foi condenado. Alguns destes processos têm centenas de páginas, com o “Público” a dar o exemplo do caso em que Rendeiro foi condenado a 10 anos de prisão: a decisão do tribunal tem 422 páginas.

As dificuldades foram assumidas ao jornal pela diretora do Departamento de Cooperação Judiciária e Relações Internacionais (DCJRI) da Procuradoria-Geral da República, Joana Gomes Ferreira, apontando que só existem dois tradutores para todos os processos do país.

Por sua vez, o “Jornal de Notícias” revela que a advogada vai alegar ilegalidades e que a sua detenção foi ilícita para pedir a sua libertação. June Marks disse ao “JN” que já está a preparar um recurso se o juiz decidir manter o banqueiro preso.

Recomendadas

A parceria que privilegia a economia social e as suas organizações ganha mais três anos

Daniel Traça, Dean da Nova SBE, e José Pena do Amaral, Consultor da Comissão Executiva e Membro da Comissão de Responsabilidade Social do BPI, explicam ao JE a originalidade da parceria Iniciativa para a Equidade Social, o que envolve e o que pretende alcançar. A parceria junta a Fundação “la Caixa”, o BPI e a Nova SBE.

Fundação ”la Caixa”, BPI e NOVA SBE renovam parceria de 2,2 milhões

Iniciativa para a Equidade Social vai prolongar-se por mais três anos, até 2024, segundo acordo assinado esta tarde na Nova SBE, em Carcavelos. A parceria tem como objetivo impulsionar o sector da economia social em Portugal, através de projetos de investigação e capacitação desenvolvidos por equipas académicas especializadas.

Bancários reformados avançam com “manif” para 6 de outubro e pedem fiscalização da constitucionalidade a Marcelo

Os sindicatos da banca filiados na UGT entregaram hoje ao Presidente da República o pedido de fiscalização sucessiva previsto na Constituição relativamente ao pacote legislativo de mitigação da inflação, atendendo à sua previsível inconstitucionalidade por não incluir a totalidade dos bancários reformados.
Comentários