João Só sobe ao palco no Estoril com Bárbara Tinoco, Nena, Carolina de Deus e Ana Mariano

João Só apresenta-se, no próximo dia 23 de Novembro, às 21h30, no Salão Preto e Prata do Casino Estoril. Trata-se de um concerto único dedicado à música portuguesa, no qual João Só convida a subir ao palco Bárbara Tinoco, Nena, Carolina de Deus e Ana Mariano.

João Só apresenta-se, no próximo dia 23 de novembro, às 21h30, no Salão Preto e Prata do Casino Estoril. Trata-se de um concerto único dedicado à música portuguesa, no qual João Só convida a subir ao palco Nena, Carolina de Deus e Ana Mariano.

Compositor, cantor e produtor, João Só é um dos artistas mais completos do panorama musical português. A sua cabeça está sempre a pensar no próximo projeto, como forma de crescimento e de aproveitamento do que está constantemente a aprender.

“Ando sempre à procura de sinais na minha vida que me indiquem caminhos a seguir na constante procura de me exprimir. A minha cabeça está sempre a pensar no próximo projeto, como forma de crescimento e de aproveitamento do que estou constantemente a aprender”, revela João Só.

“Apercebi-me que a “Sorte Grande”, a canção em formato de dueto que me tornou possível seguir uma carreira musical, faz dez anos que foi lançada. O sucesso que atingiu foi possível com a ajuda preciosa de uma querida amiga, a Lúcia Moniz, que me emprestou o seu talento e me mostrou que às vezes as canções podem ser ainda maiores”, explica.

“Esta constatação fez-me refletir que, de facto, frequentemente têm sido mulheres que me têm empurrado, segurado, inspirado e ensinado tantas coisas. A começar pela minha mãe e a minha tia que me tornaram músico desde o berço, passando pela minha mulher que inspira e está em tantas das minhas histórias, até outros seres humanos estupendos com quem tenho trabalhado e que me têm marcado, e que por acaso são mulheres”.

“As mulheres nem sempre terão tido as mesmas oportunidades no mundo da música, nem sempre são vistas como fortes e igualmente capazes, o que me parece que não poderia estar mais longe da realidade. As mulheres são tudo isso e ainda carregam o peso do preconceito. Todas estas em que penso vivem livres de pensamento, são criativas, imensamente talentosas e ajudaram‑me a mim a ser muito melhor, sempre de forma tão abnegada e natural. Decidi fazer vários espetáculos com alguns destes pilares do meu edifício em mente e convidá‑las a cantar em dueto a história de um homem grato. As mulheres ajudam-me a sintetizar-me na minha essência, que é ao que o “Só” do meu nome se refere. Ajudam-me a nunca me sentir solitário. Por isso quero cantar, por e com elas”, conclui.

Bilhetes entre 15 e 20 euros aqui

Recomendadas

“Annie Ernaux, os anos super 8”: juntar o íntimo ao social e à História

O público português pode marcar encontro com a escritora francesa Annie Ernaux, Nobel da Literatura 2022. No grande ecrã, estreia um documentário que é também um retrato social, a 15 de dezembro, e nas livrarias irá encontrar a reedição de uma obra sua esgotada há 20 anos.

António Costa e a maldição do sete. Ouça o podcast “Maquiavel para Principiantes”

“Maquiavel para Principiantes”, o podcast semanal do JE da autoria do especialista em comunicação e cronista do “Jornal Económico”, Rui Calafate, pode ser ouvido em plataformas multimédia como Apple Podcasts e Spotify.

Didier Fiúza Faustino: 30 anos a questionar

Os projetos do “artista-arquiteto” franco-português, como o próprio se define, são marcados pelo questionamento do papel político da criação e da nossa posição enquanto sujeitos e cidadãos. O MAAT, em Lisboa, dedica-lhe uma retrospetiva que Faustino vê mais como um exercício prospetivo.
Comentários