Joe Biden avisa China que se apoiar ativamente a Rússia sofrerá retaliações

Antony Blinken, secretário de Estado dos EUA, garantiu que Biden “deixa claro que a China assumirá responsabilidade por quaisquer ações que tomar no sentido de apoiar a agressão da Rússia”

Michael Reynolds/EPA via Lusa

O presidente dos EUA Joe Biden alertou o seu homólogo chinês Xi Jinping, num telefonema, para o facto de que os EUA estão preparados para retaliar se Pequim apoiar ativamente a Rússia na Ucrânia.

Segundo o “Financial Times” Antony Blinken, secretário de Estado dos EUA, disse que Biden “deixa claro que a China assumirá responsabilidade por quaisquer ações que tomar no sentido de apoiar a agressão da Rússia”.

Por sua vez, Jen Psaki, secretária de imprensa da Casa Branca, explicou aos jornalistas que o telefonema foi uma oportunidade para Biden perceber a posição do presidente Xi. “O facto de a China não ter denunciado o que a Rússia está a fazer, diz muito”, acrescentou.

Da parte da China, esta semana, a 15 de março a China também deixou um aviso: se for afetada pelas sanções à Rússia estaria disposta a retaliar.

“A China não faz parte desta crise, nem quer que as sanções afetem a China”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros, Wang Yi ao seu homólogo espanhol, José Manuel Albares, em declarações divulgadas e citadas pelo “Financial Times”. “A China tem o direito de salvaguardar seus direitos e interesses legítimos”, acrescentou.

Pequim tem afirmado publicamente que tem uma posição neutra, mas os EUA estão preocupados de que o país esteja a aproximar-se de apoiar a Rússia. De recordar também que a China também tem evitado descrever a guerra como uma “invasão”, referindo-se à “questão” ou “crise” da Ucrânia e que no mês passados os líderes da China e Rússia emitiram uma nota onde descreviam a parceria entre ambos como não “tendo limites”.

Relacionadas

Joe Biden acusa Vladimir Putin de ser um “criminoso de guerra” (com áudio)

Biden, em declarações anteriores, nunca chegou a rotular as atrocidades documentadas na Ucrânia como “crimes de guerra”, preferindo citar investigações internacionais e norte-americanas “em andamento”.

EUA aplicam sanções a 11 altos funcionários de Defesa russos

“O Departamento de Estado continua a impor custos severos aos líderes militares russos”, diz o comunicado do Governo norte-americano, que, na prática, determina que todas as propriedades dos visados em território dos EUA sejam bloqueadas e que sejam proibidos de fazer transações comerciais com cidadãos norte-americanos.
Recomendadas

Reino Unido apela no G7 a apoio “pelo tempo que for necessário” à Ucrânia

O apelo, refere a agência de notícias Efe, que cita um comunicado do Governo de Londres, vai ser feito no arranque da cimeira do G7, que começa hoje e vai durar três dias, no sul da Alemanha.

Reino Unido, EUA, Canadá e Japão proíbem importações de ouro russo

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, afirmou, num comunicado, que “estas medidas atingirão diretamente os oligarcas russos e irão até ao coração da máquina de guerra de Putin”.

Zelensky vai pedir ao G7 mais apoio militar face a “chuva de mísseis” russos

O presidente ucraniano afirma que o país “precisa mais do que qualquer outro lugar do mundo” dos “sistemas modernos” de defesa militar que fazem parte dos arsenais de vários países ocidentais.
Comentários